Bendine recebeu propina da Odebrecht durante investigações da Lava Jato

Andreza Rossini


Em coletiva de imprensa realizada na manhã desta quinta-feira (27), em Curitiba, o Procurador-Geral da República Athayde Ribeiro Costa, afirmou que o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras, Aldemir Bendine praticou atos de corrupção durante as investigações da Lava Jato, na presidência da estatal.

Ainda de acordo com Costa, o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, negou o pagamento de propina para o ex-presidente do Banco do Brasil,  antes de ele assumir o cargo na Petrobras.  Bendine é principal alvo da 42ª fase da operação, deflagrada hoje. Ele foi preso em Sorocaba (SP).

“O presidente foi nomeado para acabar com a corrupção e estava praticando o crime. É indignante que durante o escândalo de corrupção na Petrobras pessoas utilizavam a companhia para praticar crimes e exigir recursos de acordo com as provas já colhidas”, afirmou.

Propina de R$ 17 milhões foi solicitada ainda quando Bendine era presidente do Banco do Brasil, antes da nomeação como presidente da Petrobras. Odebrecht só considerou necessário o pagamento após Bendine assumir a diretoria da estatal, podendo prejudicar a empreiteira nos contratos e, inclusive, nas investigações da Operação Lava Jato, segundo Costa. Os pagamentos começaram em julho de 2015.

Odebrecht pagou R$ 3 milhões em três parcelas para Bendine.

De acordo com a PF, os envolvidos utilizavam aplicativos de destruição automáticas de mensagens para ocultar as provas do crime.

“Há indicativos de que ele só deixou de receber vantagens indevidas com a prisão do ex-executivo da Odebrecht na 14ª fase”, afirmou o delegado da Polícia Federal, Igor Romário de Paula. A fase da operação, ocorrida em junho de 2015, descobriu o setor de propinas estruturadas da empreiteira.

Entre os crimes investigados estão corrupção e lavagem de dinheiro. Também foram detidos o publicitário André Gustavo Vieira da Silva, representante de Bendine, e Antônio Carlos Vieira da Silva Júnior.

Os envolvidos realizaram movimentação om o objetivo de ocultar o pagamento de propina, a Receita Federal faz a auditoria dos valores pagos.

Mandados

Os três mandados de prisão já foram cumpridos. Os presos serão trazidos para Curitiba até o final desta tarde. Até às 10h30 faltavam apenas o cumprimento de dois dos 11 mandados de busca e apreensão.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="444694" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]