Bumlai nega que Lula tenha “abençoado” empréstimo do Banco Schahin

Redação


Depois de três audiências adiadas, a maioria delas por conta de problemas de saúde, o pecuarista José Carlos Bumlai prestou depoimento ontem (30) ao juiz federal Sérgio Moro.

No interrogatório de quase duas horas, o empresário negou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estivesse a par do empréstimo de 12 milhões de reais que o pecuarista tomou do Banco Schahin para repassar ao PT.

A declaração havia sido dada anteriormente em delação premiada de Salim Schahin, um dos donos do Grupo Schahin. No interrogatório, Bumlai rebateu a afirmação e negou que tenha dito que o esquema estava “abençoado” por Lula.

O empresário explicou que o empréstimo foi todo assumido pelo Partido dos Trabalhadores e que durante as negociações foi informado que o valor seria quitado em até 120 dias. De acordo com Bumlai, ele aceitou entrar na transação por medo de que invadissem suas terras.

Ao final do interrogatório, o empresário agradeceu a sensibilidade do Juiz Sérgio Moro ao autorizar que ele fique em prisão domiciliar enquanto está em tratamento médico. Bumlai foi diagnosticado com um câncer na bexiga. Além disso, ele pediu que Moro seja “misericordioso” no julgamento.

O filho do pecuarista, Mauricio de Barros Bumlai, também prestou depoimento nesta segunda-feira. A ação penal é referente à 21.ª fase da Lava Jato e tem, ao todo, dez réus, denunciados por crimes como de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e gestão fraudulenta.

O interrogatório dos réus é uma das últimas etapas do processo. Depois dessa fase, acusação e defesa apresentam por escrito as alegações finais e, em seguida, o juiz pode proferir a sentença.

Depoimentos na íntegra:

(Lenise Klenk, BandNews FM Curitiba)

Previous ArticleNext Article