Custo Brasil é um entre sete ‘filhotes da Lava Jato’

Narley Resende


Rafael Neves, Metro Jornal Curitiba

A prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, na última quinta-feira (24) não integrou uma das 30 fases da Lava Jato já deflagradas até o momento, mas foi quase isso: a ‘Custo Brasil’, como foi chamada, é derivada da 18ª fase da operação.

A investigação, na qual uma empresa de software que tinha um contrato com o Ministério do Planejamento teria pago propinas de cerca de R$ 100 milhões, é apenas uma das sete “crias” da Lava Jato que já se materializaram.

Duas delas, a Custo Brasil e a Radioatividade – que aponta propinas pela construção da usina nuclear de Angra 3, no Rio – tiveram na própria Lava Jato a sua fase ostensiva, com viaturas nas ruas. Foram a 18a fase (Pixuleco II) e a 16ª fase (Radioatividade), respectivamente.

Os processos sobre os dois casos já corriam sob a guarda de Sérgio Moro quando o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu, em setembro do ano passado, `fatiar’ a Lava Jato, enviando a outros tribunais os casos que não tivessem ligação direta com a Petrobras.

Em setembro a investigação sobre Paulo Bernardo passou à Justiça Federal de São Paulo, e no mês seguinte o caso de Angra 3 foi levado ao Rio.

Os outro cinco subprodutos da Lava Jato foram operações da PF que têm sido deflagradas pelo país desde dezembro de 2015.

As investigações nasceram com indícios e delações levantados pela força-tarefa em Curitiba. A tendência é que todos sejam alvo de denúncia do Ministério Público Federal e virem ações na Justiça Federal. Além disso a Lava Jato já obteve indícios de propina em obras estaduais e municipais. Se as evidências se consolidarem, juízes locais também deverão ter trabalho.

empreiteiras

Previous ArticleNext Article