Defesa de Palocci tem até quarta-feira para protocolar as alegações finais

Fernando Garcel


O processo em que o ex-ministro Antonio Palocci é réu na Operação Lava Jato caminha para a fase final. As defesas devem protocolar as alegações finais até quarta-feira (14). A ação penal é relacionada a 35ª fase da operação, batizada de Omertà. Após receber os documentos das defesas e do Ministério Público Federal (MPF), o juiz federal Sérgio Moro poderá proferir a sentença.

Além de Palocci, são réus o ex-assessor dele, Branislav Kontic; o ex-tesoureiro do PT, João Vacari Neto; o ex- executivo Marcelo Odebrech e o ex-diretor da Petrobrás, Renato Duque.

Nas alegações finais, o MPF reforçou o pedido da condenação dos acusados. No documento, os procuradores ainda pediram que seja devolvido à Petrobras pouco mais de R$ 32 milhões, valor correspondente ao prejuízo causado a estatal.

> Palocci diz estar disposto a colaborar com as investigações da Lava Jato

Denúncia

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o ex-ministro estabeleceu uma ligação com altos executivos da Odebrecht com o objetivo de atender aos interesses do grupo diante do governo federal. Isso aconteceu entre 2006 e 2015.

Segundo as investigações, a interferência de Palocci teria se dado mediante o pagamento de R$ 128 milhões em propinas. Os recursos eram destinados principalmente ao Partido dos Trabalhadores (PT).

> PF prende Antônio Palocci na 35ª fase da Lava Jato

Ainda de acordo com o MPF, o ex-ministro também teria participado de uma conversa sobre a compra de um terreno pra a sede do Instituto Lula, feita pela Odebrecht.

A ação penal decorrente da Operação Omertà tem 15 réus, entre eles Palocci e o herdeiro do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht.

Delação premiada

Palocci pode ser condenado em meio à tratativa de fechar uma delação, que se consolidou quando ele destituiu seu antigo advogado, José Roberto Batochio, e contratou Adriano Bretas, que já conduziu outros acordos.  Se vier a ser fechada, a delação pode complicar a situação de vários envolvidos, inclusive o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que também será julgado em breve. A partir de 20 de junho, o juiz Sérgio Moro poderá dar a sentença contra o ex-presidente no processo sobre o tríplex do Guarujá.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="436717" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]