Operação Lava Jato
Compartilhar

Delatores são ouvidos como testemunhas de acusação contra Dirceu e Duque

As informações são da BandNews CuritibaDois delatores da Operação Lava Jato são ouvidos nesta, quarta-feira (31), pela J..

Andreza Rossini - 31 de agosto de 2016, 11:08

As informações são da BandNews Curitiba

Dois delatores da Operação Lava Jato são ouvidos nesta, quarta-feira (31), pela Justiça Federal do Paraná na condição de testemunhas de acusação. O lobista Milton Pascowitch e o empresário e operador financeiro Júlio Camargo foram indicados pelo Ministério Público Federal (MPF).

ANÚNCIO

Eles são ouvidos em uma ação penal que tem sete réus, entre eles o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, o ex-ministro José Dirceu e o irmão dele, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva. Os réus deste processo respondem a crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Esse processo é resultado de uma denúncia baseada em desdobramentos da 30ª fase da Lava Jato, a “Operação Vício”.

A investigação apura pagamento de propinas em contratos superfaturados entre a Petrobras e a empresa Apolo Tubulars. O contrato teria um custo real de aproximadamente R$ 255 milhões – mas foi fechado em pouco mais de R$ 450 milhões. Segundo a Força Tarefa Lava Jato, o ex-diretor ajudou a empresa a fechar este contrato e recebeu de forma ilegal aproximadamente R$ 7 milhões. A denúncia do Ministério Público Federal também avalia que a empresa Apolo Tubulars não era a mais qualificada para fornecer os tubos para a estatal e não seria contratada pela Petrobras sem a ajuda de Duque. O ex-ministro José Dirceu recebeu propinas de R$2,1 milhões.

A parte de Dirceu foi paga porque Renato Duque teria sido indicado ao cargo pelo Partido dos Trabalhadores. Este é o segundo processo ao qual Dirceu e Duque respondem criminalmente. Os réus já foram condenados em outras ações penais. Eles estão entre os acusados que receberam as maiores punições da Justiça. O ex-ministro foi condenado a 20 anos e 10 meses de prisão no processo decorrente da Operação Pixuleco, 17ª etapa da Lava Jato.

O ex-diretor da área de Serviços da estatal também recebeu sentenças duras. Duque foi condenado a 20 anos e oito meses no processo da 10ª fase e, na ação penal decorrente da 14ª fase, teve a sentença decretada em 20 anos e três meses.