Kassab afirma que concessão de terreno do Instituto Lula foi legal

Andreza Rossini


O juiz federal Sérgio Moro ouve quatro testemunhas no processo em que o ex-presidente Lula é acusado de receber propina da Odebrecht.

Prestam depoimento hoje, por videoconferência de Brasília, o ministro da Ciência e Tecnologia Gilberto Kassab e o ex-diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Paulo Lacerda, arrolados por Lula. O deputado federal Luiz Paulo Teixeira Filho (PT), também será ouvido por Moro, arrolado pela defesa de Branislav Kontic, ex-assessor de Antonio Palocci.

O advogado Luiz Rodrigues Wambier, arrolado pela defesa do advogado Roberto Teixeira, presta depoimento na sede da Justiça Federal, em Curitiba.

Kassab falou sobre os trâmites legais para a instalação do Memorial da Democracia e afirmou que o terreno cedido para a construção pelo Instituto Lula está dentro das normas da legislação. Ele foi prefeito de São Paulo entre 2006 e 2012.

Uma decisão judicial proibiu a concessão em 2014 a pedido do Ministério Público e o projeto nunca saiu do papel.

Veja o depoimento na íntegra:

[insertmedia id=kyrQixfDbOE]

Desistências

A defesa de Lula desistiu de ouvir as testemunhas Romulo de Miranda Coelho e Alan Kardec Pinto, ex-funcionários da Petrobras, que prestariam depoimento na sexta-feira (23), por videoconferência. “Tendo em conta que seus depoimentos versariam sobre questões laterais (e não nucleares) da causa, bem como que tais questões já foram esclarecidas por outras testemunhas e documentos carreados aos autos”, afirmam os advogados

Moro ainda não se manifestou sobre o pedido da defesa.

A denúncia  

Nesta ação penal é investigada a compra de um terreno, pela Odebrecht, que seria destinado à construção de uma nova sede para o Instituto Lula. Os procuradores também incluem na denúncia a compra de um apartamento vizinho ao local onde o petista mora, em São Bernardo do Campo (SP).

Depois de ouvidas as pessoas indicadas pelos procuradores, a Justiça Federal passa a colher os depoimentos das testemunhas de defesa. Foi neste processo em que o ex-presidente Lula indicou 87 pessoas para depor.

Também são réus nesse processo o ex-ministro Antônio Palocci, o ex-assessor do ministro Branislav Kontic, o ex-presidente Lula e mais quatro pessoas.  Eles são acusados de lavagem de dinheiro.

 

Previous ArticleNext Article