Doleira Nelma Kodama tem pedido para passar Ano Novo no RJ negado

Andreza Rossini


Da BandNews Curitiba

O juiz Danilo Pereira Junior, da Vara de Execuções Penais de Curitiba, negou o pedido da doleira Nelma Kodama, condenada na Lava Jato, a passar o Ano Novo no Rio de Janeiro.

De acordo com a defesa, ela pretendia viajar á capital fluminense entre os dias 29 de dezembro e 02 de janeiro de 2018. O Ministério Público Federal já havia se manifestado desfavoravelmente à solicitação da doleira.

De acordo com o MPF, a viagem está em desacordo com o termo de colaboração premiada firmado com a força-tarefa da Lava jato. Nelma Kodama está em prisão domiciliar desde junho do ano passado (2016).

Em despacho, o juiz Danilo Pereira Junior destacou que pelo termo do acordo no regime aberto diferenciado a doleira precisa ficar em casa em dias úteis das dez da noite às seis horas da manhã e em período integral aos sábados, domingos e feriados.

Ainda conforme o acordo, a condenada tem direito a um deslocamento pelo período de cinco dias a cada ano de cumprimento de pena, dentro do território nacional. No entanto, este benefício só poderá ser concedido a partir do dia 16 de março de 2018.

A doleira Nelma Kodama ficou conhecida após citar a canção “Amada Amante” durante um depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. Ela atuava em parceria com o doleiro Alberto Youssef, com quem chegou a ter um relacionamento amoroso.

Nelma foi condenada a 18 anos de prisão por crimes como evasão de divisas, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e pertinência a organização criminosa.

De acordo com as investigações, a movimentação ilegal operada por Nelma ultrapassou os cinco milhões de dólares entre maio e novembro de 2013. Nelma ficou presa por dois anos e três meses. Ela foi a primeira detida na operação Lava Jato, quando foi presa no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, com pelo menos 200 mil euros na calcinha ao tentar sair do país.

Previous ArticleNext Article