Técnico de contabilidade confirma assinatura de recibos de Lula em hospital

Jordana Martinez

Em depoimento ao juiz Sérgio Moro, nesta sexta-feira (15), o técnico em contabilidade João Muniz Leite confirmou que levou entre 14 e 15 recibos de aluguéis do apartamento em São Bernardo do Campo (SP) para que fossem assinados, no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, pelo empresário Glaucos da Costamarques, primo de José Carlos Bumlai e dono do apartamento alugado pelo ex-presidente Lula.

Segundo a denúncia do Ministério Público, Lula teria recebido o imóvel como propina da Odebrecht. Moro quer saber se os recibos de aluguéis apresentados pela defesa de Lula são verdadeiros ou foram “produzidos” posteriormente. Para os procuradores, os documentos são “ideologicamente falsos”, já que teriam sido produzidos para dar “aparência de legalidade” ao processo.

Muniz alegou que os documentos foram assinados depois porque, quando fechou a declaração de 2014, percebeu que faltavam alguns recibos. E justificou que, como controlava os recebimentos de alugueis, sabia que tudo havia sido pago.

“Quando eu fechei a declaração ano-base de 2014, eu notei a falta dos recibos de 2014. No entanto eu fechei a declaraçao desta mesma forma porque eu sabia exatamente os valores que tinham sido pagos… eu comuniquei ao dr Roberto, porém esses recibos não chegaram até o final de 2015… então ele me prometeu que me entregaria uma pasta com os recibos para ver quais estavam faltando”.


Questionado sobre o local em que foram feitas as assinaturas, ele confirmou que foi no Sírio Libanês.

“Eu preparei baseado nos modelos que ele já havia apresentado, pedi a um funcionário que fizesse, levei ao hospital e colhi as assinaturas”, afirmou a Moro.

[insertmedia id=”zTHvfV7uMig”]

Costamarques

Em depoimento a Moro, o empresário Glaucos da Costamarques confirmou que assinou todos os recibos de 2015 de uma só vez, quando estava internado.

“Eu assinei os recibos referentes aos aluguéis de 2015 para ele. Talvez tenha assinado mais algum, que tinha erro…”

Ele afirmou ainda que, de fevereiro de 2011 a dezembro de 2015, não recebeu pelos aluguéis, mas justificou que a declaração no IR foi feita para “regularizar a situação”.

“Eu fiz um contrato de aluguel com a dona Marisa, e como o apartamento vinha sendo alugado há muitos anos, primeiro pelo PT e depois pela presidência da República, eu tinha a expectativa de receber esse aluguel… era uma maneira de corrigir o dinheiro que eu emprestei. Na minha cabeça era isso”, disse.

[insertmedia id=”MlKqlf-Vb5I”]

Depoimentos “confirmam que recibos são autênticos”, diz defesa

Em nota, o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, afirmou que os recibos de locação, “como sempre foi afirmado pela defesa do ex-Presidente Lula, são autênticos, foram emitidos pelo Sr. Glaucos da Costamarques com declaração de quitação em favor da D. Marisa, que é prova mais plena do recebimento dos aluguéis de acordo com a lei brasileira, confirmada por outros documentos existentes nos autos, como a movimentação nas contas do proprietário envolvendo valores em espécie”.

Segundo a defesa, “também ficou claro mais uma vez que o apartamento não é do ex-Presidente Lula e que não há qualquer valor proveniente de contratos da Petrobras relacionado ao imóvel, ao contrário do que consta na denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal”, disse.

Veja nota na íntegra:

“O depoimento do Sr. João Muniz Leite nesta data (15/12) reforçou que todos os recibos com quitação dirigidos à inquilina D. Marisa Letícia Lula da Silva foram emitidos pelo proprietário do imóvel, o Sr. Glaucos da Costamarques, que também dirigia a ele informes sobre o recebimento de aluguéis, inclusive por e-mail. Um desses e-mails, de 2014, consta nos autos (Processo nº 5043015-38.2017.4.04.7000/PR).

Leite também sublinhou que Costamarques declarava o recebimento dos aluguéis à Receita Federal e efetuava o recolhimento dos impostos devidos, sendo um deles o carnê-leão.

Costamarques, por sua vez, atestou que assinou os recibos de locação emitidos em favor de D. Marisa e que não houve emissão de todos os recibos de uma só vez. A negativa do recebimento dos aluguéis desta vez veio acompanhada de uma nova versão dos fatos — a quinta até o momento —, segundo a qual o apartamento teria sido comprado para um parente, que lhe faria o reembolso dos valores dos impostos pagos por diversos meios, inclusive por transações envolvendo a “venda de cavalos”. Alegou, ainda, de forma contraditória, que se considera o proprietário do imóvel e que faz o pagamento de todos os impostos devidos pelo recebimento dos aluguéis.

A verdade hoje confirmada pelos depoimentos é que os recibos de locação, como sempre foi afirmado pela defesa do ex-Presidente Lula, são autênticos, foram emitidos pelo Sr. Glaucos da Costamarques com declaração de quitação em favor da D. Marisa, que é prova mais plena do recebimento dos aluguéis de acordo com a lei brasileira, confirmada por outros documentos existentes nos autos, como a movimentação nas contas do proprietário envolvendo valores em espécie. Também ficou claro mais uma vez que o apartamento não é do ex-Presidente Lula e que não há qualquer valor proveniente de contratos da Petrobras relacionado ao imóvel, ao contrário do que consta na denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal.

CRISTIANO ZANIN MARTINS”

Post anteriorPróximo post
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.
Comentários de Facebook