Ex-secretária do ‘setor de propina’ da Odebrecht diz que nunca se reuniu com Palocci

Jordana Martinez


O juiz Sérgio Moro interroga nesta sexta-feira (03) as últimas testemunhas de acusação do processo contra o ex-ministro Antônio Palocci.

A primeira ser ouvida foi a ex-secretária do setor de propina da Odebrecht e delatora da Lava Jato, Maria Lúcia Tavares. Por videoconferência, de Salvador, a ex-secretária da Odebrecht disse que nunca se reuniu com Palocci para discutir pagamentos de propina. Foi ela quem entregou aos investigadores várias planilhas que apontavam os repasses ilícitos da empresa para políticos. Maria Lúcia disse que trabalhou por onze anos na empresa e era responsável pela remessa do dinheiro ilícito. Ao ser questionada pela defesa de Palocci, ela disse que não conhecia e nunca se reuniu com o ex-ministro para discutir pagamentos de propina.

Maria Lúcia Tavares afirmou ainda que a mulher do marqueteiro João Santana, Mônica Moura, tinha contato direto com Marcelo Odebrecht:

“Ela tinha contato com o chefe, com o dr. Marcelo, e com o dr. Hilberto… então, ela foi lá prá entregar a conta lá fora, eu passei para minha colega que ela fazia conta lá fora para poder entregar a encomenda aqui no Brasil.”

A ex-secretária afirmou ainda que chegou a entregar a Mônica Moura, por duas vezes, dinheiro relacionado ao codinome “Feira”; apelido do casal nas planilhas de propina.

Mônica Moura e o marido, João Santana, foram condenados, nesta quinta-feira (02), a oito anos de prisão por lavagem de dinheiro.

Mais depoimentos

À tarde, prestam depoimento o ex-senador Delcídio do Amaral, o empresário Zwi Skorniki, e o ex-gerente da Petrobras, Pedro Barusco. São as últimas testemunhas de acusação a prestarem depoimento na ação penal contra o ex-ministro Antônio Palocci. Preso há quatro meses, ele é acusado de ter atuado para que a Odebrecht firmasse grandes contratos com a Petrobras. Em troca, teria recebido propina superior a R$ 120 milhões em nome do PT.

A partir do dia 17, começam a ser interrogadas as testemunhas de defesa. Já há audiências marcadas até 24 de março. Entre os depoimentos previstos, há inúmeros políticos, entre senadores, deputados, ex-ministros e até a ex-presidente Dilma Rousseff. Além de Palocci, o processo tem mais 14 réus.

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.