Moro dá o caminho para quem quer quebrar o sigilo de depoimento de Emílio Odebrecht

Roger Pereira


No despacho em que lamentou um erro do sistema da Justiça Federal que permitiu o acesso, por cerca de dois minutos aos depoimentos dos delatores Emílio Odebrecht, presidente do Conselho de Administração da construtora que leva seu sobrenome, e Marcio Faria, o juiz federal Sérgio Moro, que manteve o sigilo dos depoimentos, acabou indicando a qualquer cidadão como “furar” o sigilo e ter acesso à íntegra da audiência da última terça-feira.

Ao comentar que, “infelizmente”, o curto espaço de tempo em que os vídeos ficaram disponíveis no sistema Eproc da Justiça foi suficiente para que alguns órgãos de imprensa os acessassem, baixassem e publicassem em suas páginas, o juiz federal, que disse não caber a ele tomar qualquer providência contra tal divulgação, citou, para dar como exemplo, uma postagem do blog do jornalista Fausto Macedo que contém a íntegra dos depoimentos: “Observo que alguns veículos de imprensa já os divulgaram, in­clusive na íntegra (http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/o-depoimento-de-emilio-odebrecht-a-lava-jato/)”, escreveu o magistrado.

O Paraná Portal foi um dos veículos que conseguiu acessar a íntegra dos depoimentos antes de o “erro” da Justiça Federal ser detectado e corrigido. À 13ª Vara Federal de Curitiba, Emílio Odebrecht negou a existência de um “departamento de propina” na companhia, mas admitiu que sempre houve um funcionário responsável por pagamentos de vantagens indevidas a agentes públicos na empresa e que tal prática era comum desde a época em que seu pai, Norberto Odebrecht, fundador da construtora em 1944.

http://paranaportal.uol.com.br/operacao-lava-jato/vaza-depoimento-de-emilio-odebrecht-sempre-existiu-caixa-2/

Previous ArticleNext Article
Repórter do Paraná Portal
[post_explorer post_id="419216" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]