MPF prorroga Lava Jato por mais um ano

Mariana Ohde


O Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF) prorrogou, nesta terça-feira (6), as forças-tarefas que atuam na Operação Lava Jato em Curitiba e no Rio de Janeiro. Os grupos terão duração de mais um ano, prazo contado a partir do dia 8 deste mês.

A força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro foi designada em junho deste ano e, na ocasião, foram designados os procuradores Lauro Coelho Júnior (coordenador), Eduardo Ribeiro Gomes El Hage e José Augusto Simões Vagos para atuarem nos desdobramentos da Lava Jato no estado.

Criada em abril de 2014, a força-tarefa em Curitiba também foi prorrogada. Integram atualmente o grupo os procuradores Deltan Martinazzo Dallagnol (coordenador), Carlos Fernando dos Santos Lima, Orlando Martello Junior, Athayde Ribeiro Costa, Diogo Castor de Mattos, Roberson Henrique Pozzobon, Paulo Roberto Galvão, Júlio Carlos Motta Noronha, Laura Tessler, Isabel Cristina Groba Vieira e Jerusa Burmann Viecili. Atuam como colaboradores Januário Paludo, Antônio Carlos Welter e Andrey Borges de Mendonça.

Histórico

A Operação Lava Jato teve início em março de 2014 e já completou 33 fases. Políticos e grandes empresários do Brasil já foram condenados em processos decorrentes das investigações conduzidas pela força-tarefa e pela ação conjunta da Polícia Federal (PF), MPF e Judiciário.

A força-tarefa já instaurou 1397 procedimentos contra 225 pessoas. No Supremo Tribunal Federal (STF), tramitam 81 inquéritos com 364 investigados. Destes, 45 já foram acusados em uma das 14 denúncias feitas pela PGR. O STF só abriu três processos até o momento – dois contra o deputado afastado Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro. A maior parte dos processos é conduzida no Rio de Janeiro e em Curitiba. No caso de autoridades com foro privilegiado, como parlamentares e governadores, as investigações são responsabilidade da Procuradoria-Geral da República (PGR) e tramitam no STF e no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Com Sérgio Moro, na primeira instância, ainda faltam ser concluídos 24 processos em andamento. Moro já deu sentenças em outras 21 ações. O juiz, que conduz os processos contra pessoas sem direito a foro privilegiado, já declarou mais de uma vez que pretende encerrar a participação em dezembro.

Previous ArticleNext Article
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="384065" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]