“Não é brincar de vaca amarela”, diz Sérgio Moro a Cabral

Roger Pereira


O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e o juiz federal Sérgio Moro protagonizaram, na quinta-feira, uma cena inusitada durante o depoimento de Cabral à 13ª Vara Federal de Curitiba, em ação penal referente à Operação Lava Jato. Instruído por sua defesa a não responder os questionamentos de Moro, Cabral ficou em silêncio nas quatro primeiras perguntas feitas pelo juiz, que, arrancando risos explicou que não estava brincando de “vaca amarela”.

No início do depoimento, os advogados do ex-governador informaram que o réu só responderia às perguntas de sua defesa, recusando-se a responder ao juiz e ao Ministério Público Federal. Sérgio Moro afirmou que, mesmo assim, faria seus questionamentos, para que constassem nos autos e na gravação. Moro perguntou se Cabral recebeu propina da Andrade Gutierrez pelo contrato de construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), ouvindo do ex-governador a resposta de que “isso não é verdade”. Nas perguntas seguintes, Cabral optou pelo silêncio, não falando mais nada ao juiz, nem mesmo que não iria responder.

“O silêncio não é literal, o senhor tem que me dizer que não responde. Não é brincar de vaca amarela”, explicou Moro, aos risos.

[insertmedia id=hRe2VBhj8hQ]

Caixa 2

Sérgio Cabral prestou depoimento na ação penal que responde por ter recebido propina da Andrade Gutierrez pela obra do Comperj. Ele também é acusado de ter feito gastos pessoais, em espécie, com recursos que seriam fruto de vantagens indevidas. O ex-governador do Rio negou qualquer relação com a Petrobras e a Andrade Gutierrez. Ele disse que os bens que comprou, principalmente roupas e joias, foram adquiridos com sobras de campanha, Caixa 2

Previous ArticleNext Article
Repórter do Paraná Portal
[post_explorer post_id="427852" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]