Justiça nega embargos de Lula a perícia sobre sistemas de propinas da Odebrecht

Angelo Sfair

lula, luiz inácio lula da silva, embargos, apartamento em são bernando do campo, terreno do instituto lula, perícia, odedecht, propinas, drousys, my web day, setor de operações estruturadas

O juiz Luiz Antônio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, negou nesta quarta-feira (9) os embargos de declaração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que questionavam a perícia aos sistemas Drousys e MyWebDay, usados para a contabilidade paralela da empreiteira Odebrecht.

A discussão acontece na terceira ação a qual o ex-presidente responde na 13ª Vara Federal de Curitiba. Neste processo, o Lula é acusado de receber R$ 12,4 milhões de vantagens indevidas da empreiteira Odebrecht por meio de um apartamento em São Bernardo do Campo e de um terreno na capital paulista.

A JFPR, seguindo uma decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), havia aberto prazo para que as defesas produzissem laudos periciais sobre os sistemas Drousys e MyWebDay. Os documentos seriam complementos à perícia já realizada pela Polícia Federal.

No entanto, os advogados de Lula argumentaram que o acesso restrito aos sistemas da Odebrecht não permitiam a produção do laudo. E apontaram que Luiz Antônio Bonat não estava cumprindo na íntegra uma decisão do STF sobre o tema.

“Não há contradição alguma a ser reconhecida”, despachou Bonat, que analisou os embargos de declaração, mas negou os pedidos.

EMBARGOS DE LULA

Luiz Inácio Lula da Silva questiona o laudo produzido pela PF (Polícia Federal) sobre o sistema MyWebDay. Aliado ao Drousys, que é dedicado à comunicação interna, esse sistema era utilizado pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht para gerenciar os pagamentos de propina. Os advogados do petista também alegavam que tiveram acesso restrito ao material periciado e solicitavam a ampliação das provas compartilhadas.

O conteúdo coletado pelo MPF (Ministério Público Federal) nos sistemas internos da Odebrecht foi colocado em xeque pelos defensores de Lula. Os advogados reforçam a dificuldade que as autoridades de investigação tiveram para lidar com o MyWebDay e Drousys — até hoje os sistemas não foram completamente decifrados.

Previous ArticleNext Article