Odebrecht entrega a Moro e-mails que podem incriminar ex-presidente da Petrobras

Andreza Rossini

Da BandNews Curitiba

O empreiteiro Marcelo Odebrecht afirmou ao juiz Sérgio Moro que encontrou e-mails que podem auxiliar na investigação relacionada ao ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil, Aldemir Bendine.

Em um documento anexado ao processo, o empresário – que cumpre prisão domiciliar desde o final do ano passado – destaca uma mensagem em especial que tratava do pagamento de vantagens indevidas a Bendine, cujo codinome era Cobra.

No total, foram anexadas ao processo 47 páginas de mensagens que podem incriminar o ex-executivo que é acusado de receber R$ 3 milhões em propina da Odebrecht para facilitar a participação da empresa em contratos com a estatal.

De acordo com a petição, somente depois de liberado para o cumprimento da pena em sua residência em São Paulo, é que Odebrecht teve acesso aos dados do seu computador que foi apreendido pela Polícia Federal. A partir disto, o empresário pode realizar buscas por elementos que pudessem colaborar com a investigação envolvendo Bendine.


Devido ao grande volume de documentos presentes no sistema, o empresário relata que deu prioridade àqueles que tinham ligação com esta ação penal. Em um e-mail datado de janeiro de 2015, Odebrecht relata a outro executivo da empresa que Bendine queria tomar um café com ele.

Na mensagem Marcelo diz que queria certar algumas pendências com o ex-presidente da Petrobras. No acordo de delação premiada, Odebrecht se comprometeu a colaborar com a força tarefa da Lava Jato com todas as informações possíveis que fossem úteis as apurações.

O empreiteiro passou a cumprir regime fechado diferenciado em sua residência com tornozeleira eletrônica no dia 19 de dezembro do ano passado. Ele foi condenado em duas ações da Lava Jato em primeira instância com uma pena total de 31 anos e seis meses de prisão, no entanto, o acordo de colaboração permite que ele cumpra 10 anos, incluindo o tempo em que ficou detido no Paraná. Odebrecht é também é réu na mesma ação penal que envolve o ex-presidente da Petrobras, Aldemir Bendine.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook