PF errou: ‘JD’ na planilha da Odebrecht não era José Dirceu

Fernando Garcel


Em coletiva de imprensa convocada pela Polícia Federal (PF) na manhã nesta segunda-feira (26) para trazer novas informações sobre a 35ª fase da Operação Lava Jato, a Força-Tarefa informou que o codinome “JD” citado como beneficiário de R$ 48 milhões em propina na planilha da empreiteira Odebrecht não se tratava do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, como havia sido divulgado anteriormente.

> Lava Jato quer provar interferência de Palocci em benefício da Odebrecht
> Moro determina bloqueio de até R$ 128 milhões das contas de Palocci

Segundo os investigadores, a sigla “JD” faz referência ao ex-chefe de gabinete de Palocci, Jucelino Antonio Dourado. Em anotações, Marcelo Odebrecht registrou repasses de valores “via JD”, em 2009 e 2010. “Esses fatos de como foram feitos os pagamentos, principalmente no local, estão sendo aprofundados. E objetivou-se com as medidas de hoje esse aprofundamento”, destaca o delegado Filipe Hille Pace.

Confira o momento em que o delegado Filipe Hille Pace admite o equívoco da PF ?

Em fevereiro, após a deflagração da 23ª fase da operação, batizada de Acarajé, a PF divulgou um relatório em que a associa a sigla JD ao nome do petista.

Segundo o delegado, o erro foi descoberto depois que os investigadores cruzaram os dados da planilha com anotações da agenda do presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht. Um número de telefone ao lado da sigla JD pertencia a Jucelino Dourado.

> Planilha da Odebrecht lista 200 políticos e valores recebidos

No documento, depois de apontar o recebimento de R$ 10 milhões em 2009, a Força-Tarefa afirma que “novamente temos a sigla ‘JD’, de José Dirceu, atrelada ao valor de R$ 38.000.000,00, dos quais 8 milhões solicitados em abril e maio/2010; 20 milhões descritos como eventos de julho, agosto e setembro/2010, estando tal valor dividido em duas parcelas, uma de 16 milhões e outra de 4 milhões considerada como bônus e por fim mais 10 milhões também em setembro/2010, considerado como evento extra e descrito como assuntos BJ (Benedicto Junior) e 900 (mil) como bônus para o PT”.

pd dirceu

A planilha encontrada pela Força-Tarefa revelou a existência do “Setor de Operações Estruturadas” da empreiteira, destinado à pagamentos de propina.

Na época, o advogado Roberto Podval, que defende Dirceu, afirmou que a associação feita pela PF não tinha cabimento. “Não tem nenhum cabimento. Tudo o que foi recebido pela JD Consultoria foi escriturado. Como alguém vai receber essa quantia sem que isso apareça na contabilidade?”, questionou.

Jucelino Dourado, o verdadeiro JD, foi preso nesta segunda-feira junto com o ex-ministro Antônio Palocci e outro assessor.

José Dirceu

Em agosto, a prisão do ex-ministro José Dirceu completou um ano. Ele foi preso na 17ª fase da Operação Lava Jato e condenado a 20 anos e dez meses de prisão por crimes como corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa e cumpre pena no Complexo Médico Penal em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba

A pena, originalmente, era de 23 anos e três meses de prisão. Porém, em junho, o juiz Sérgio Moro aceitou o pedido da defesa e reduziu a pena do ex-ministro em dois anos e cinco meses. No despacho, o magistrado considerou como atenuante a idade de Dirceu, que está com 70 anos.

O Ministério Público Federal (MPF) sustenta que os crimes investigados na 17ª fase, a Pixuleco, envolveram 64 atos de lavagem de dinheiro, que somam mais de R$ 60 milhões. De acordo com a denúncia, só Dirceu teria recebido, pelo menos, R$ 11 milhões em propina a partir de acordos firmados com a Petrobras.

No dia 29 de junho, Moro recebeu mais uma denúncia do MPF contra o ex-ministro, e também contra o ex-diretor da Petrobras, Renato Duque, que também já foi condenado em processos anteriores da Operação Lava Jato. A denúncia diz respeito a 30ª fase da operação, a Vício, e aponta que Duque ajudou uma empresa de tubos a fechar contratos com a Petrobras e, para isso, recebeu R$ 7 milhões em propina. Parte do valor foi repassado ao núcleo político capitaneado por José Dirceu. “Assim, cerca de 30% dos valores recebidos por Júlio Camargo, o que equivale a R$ 2.144.227,73, foram transferidos ao ex-ministro da Casa Civil”, diz o MPF.

Previous ArticleNext Article