PF quebra sigilo e tem acesso a troca de e-mails de Eduardo Cunha e filha

Fernando Garcel


Com Thaissa Martiniuk, da BandNews FM Curitiba

A Polícia Federal teve acesso a troca de e-mails entre o ex-deputado Eduardo Cunha e a filha dele, Danielle Dytz da Cunha, após quebra de sigilo telemático. Em um dos e-mails, a publicitária faz uma lista com objetos que ela quer que Cunha compre no exterior. Entre os itens estão, cremes, óculos, bolsas e sapatos, todos de marca.

As mensagens foram anexadas ao sistema da Justiça Federal do Paraná em ação penal que o ex-presidente da Câmara responde na Operação Lava Jato. Danielle Dytz da Cunha não é acusada neste processo. No e-mail datado de 20 de fevereiro de 2009, a filha de Cunha diz que não tem “cacife” para comprar tudo que gostaria e, por isso, pede que o ex-deputado traga o que foi listado.

> Lula diz desconhecer participação de Cunha em compra de campos no Benin
Claudia Cruz confirma uso de cartão internacional, mas alega que não sabia da conta na Suíça

No documento, Danielle pede uma bolsa da marca Balenciaga que, atualmente, custa em torno de 1,8 mil dólares, o equivalente a R$ 6,3 mil. A publicitária ainda inclui na lista um óculos Ray-Ban que no site da marca custa 150 dólares ou R$ 520. Outro pedido feito pela filha a Cunha está um casaco da grife Burberry. Para este produto, Danielle especificou no e-mail que só é para comprar caso o ex-deputado vá a um outlet, lojas que oferecem desconto em algumas marcas. No site oficial da grife, o casaco está 2 mil dólares, o equivalente a R$ 7.200 reais.

A defesa do ex-deputado Eduardo Cunha disse que não vai comentar o assunto.

A denúncia desta ação envolve um contrato em que a Petrobrás comprou direitos de participação na exploração de um campo de petróleo na República do Benin, na África. O negócio, segundo os procuradores do Ministério Público Federal, envolveu o pagamento de propina ao deputado federal afastado Eduardo Cunha de cerca de U$ 1,5 milhão.

> Moro corta 21 perguntas de Cunha para Temer sobre crimes na Petrobras

O valor total do negócio era de US$ 34,5 milhões. Para os procuradores, Cunha utilizou o cargo de deputado e de presidente da Câmara para sustentar o esquema de corrupção, obter vantagens ilícitas e atender interesses particulares.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="401597" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]