Presos na 41ª fase da Lava Jato prestam depoimento hoje

Andreza Rossini


O ex-banqueiro João Augusto Ferreira dos Santos e o ex-gerente da área internacional da Petrobrás Pedro Augusto Côrtes Bastos, presos na 41ª fase da Operação Lava Jato, prestam depoimento aos delegados da Força-Tarefa, nesta segunda-feira (29).

O exame de corpo de delito, padrão para os novos presos, foi realizado por volta das 9h30 de hoje.

O suspeitos, que cumprem prisão temporária e preventiva , respectivamente, estão detidos na sede da Polícia Federal (PF), em Curitiba. Eles são suspeitos de terem recebido mais de US$ 5,5 milhões em propinas da empresa Companie Beninoise des Hydrocarbures SARL (CBH), na venda de um campo seco de petróleo em Benin, na África, para a Petrobras, e 2011.

A nova fase da investigação, chamada de Operação Poço Seco, apura o já conhecido esquema de pagamento de propina na venda de um campo de petróleo na África para a Petrobrás.

A nova fase da operação cumpriu 13 mandados judiciais no Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo.

Entre os alvos de condução coercitiva são Fernanda Luz, filha de Jorge Luz, e Álvaro Gualberto Teixeira de Melo. Fernanda Luz é ligada aos lobistas Jorge Luz e Bruno Luz, pai e filho, que realizavam transações junto ao PMDB e a à estatal. Eles foram detidos na Operação Blackout, a 38ª fase da Operação Lava Jato.

Operação Poço Seco

Segundo a PF, a ação investiga complexas operações financeiras realizadas a partir da aquisição pela Petrobras de direitos de exploração de petróleo em Benin, África, com o objetivo de disponibilizar recursos para o pagamento de vantagens indevidas a ex-gerente da área de negócios internacionais da empresa. Os investigados devem responder pela prática dos crimes de corrupção, fraude em licitações, evasão de divisas, lavagem de dinheiro dentre outros.

O Poço Seco é uma referência aos resultados negativos do investimento realizado pela Petrobras na aquisição de direitos de exploração de poços de petróleo em Benin.

Eduardo Cunha e Cláudia Cruz

O deputado cassado Eduardo Cunha foi condenado pelo juiz Sérgio Moro a 15 anos de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e evasão fraudulenta de divisas.

Ele é acusado de solicitar e receber vantagem indevida no contrato de exploração de petróleo em Benin, na África.  Segundo sentença, Eduardo Cunha recebeu US$ 1,5 milhão – atualmente de cerca de R$ 4.643.550.

Os procuradores do Ministério Público Federal (MPF) suspeitam do envolvimento da jornalista Claudia Cruz, esposa do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, no recebimento de recursos ilegais do contrato, firmado em 2011. A operação foi realizada um dia depois de Cláudia Cruz ser absolvida em um processo que tramitava na Justiça Federal em Curitiba, também em decorrência da Lava Jato.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="434123" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]