Procurador manda arquivar citação a Francischini

Roger Pereira


Na mesma petição em que sugere a abertura de inquérito no STF para investigar o deputado federal Marco Maia e o ex-senador Vital do Rego, citados na delação premiada do senador Delcídio Amaral como os parlamentares responsáveis por blindar as empreiteiras na CPMI da Petrobras em troca de propina, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot pediu o arquivamento da investigação quanto ao deputado paranaense Fernando Francischini (SD).

Em seu termo de colaboração, Delcídio do Amaral citou que, durante a CPMI da Petrobras, na época, muitos empresários ligados a obras da Petrobras foram convocados para depor e os membros da CPMI pediram dinheiro para campanha em troca da derrubada desses requerimentos. Delcídio informou sobre a realização de reuniões com os empresários dos quais participaram Marco Maia, Fernando Francischini, Vital do Rego e Gim Argelo, então vice-presidente da CPMI.

Janot, no entanto tentou confirmar a versão de Delcídio com o delator Julio Camargo, que confirmou a participação de Vital do Rego, Marco Maia e Argello, mas disse não ter conhecimento do envolvimento de Fernando Francischini nos delitos. “Prevalece a máxima de que a mera referência a terceiros em conversa alheia desacompanhada de outros elementos de convicção e em aparente conflito com a versão dos colaboradores mencionados não autorizam a realização de investigação”, afirma o procurador, que ainda determinou a remessa da denúncia contra Gim Argello para a 13ª Vara Federal de Curitiba, onde o ex-senador já é alvo de processo.

Previous ArticleNext Article
Roger Pereira
Repórter do Paraná Portal