“Quem tem agido como um político é Moro”, diz defesa de Lula

Fernando Garcel


A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, réu na Operação Lava Jato, aponta nova “arbitrariedade” na conduta do juiz federal Sérgio Moro após o magistrado proibir que os advogados gravem a audiência marcada para quarta-feira (10). Eles defendem a tese de que “a gravação da audiência é uma prerrogativa do advogado e está prevista no CPC [Código de Processo Civil]”.

Apesar da proibição, Moro despachou que a oitiva terá uma “gravação adicional”, com outro ângulo da sala de audiência.

> Defesa de Lula recorre ao TRF4 para suspensão de processo do triplex

De acordo com Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins, que defendem Lula, afirma que o juiz “comete erro gravíssimo” ao apontar que Lula e a defesa convocaram manifestantes para Curitiba. “Talvez ele tenha se acostumado a fazer acusações sem provas, mas essa é mais uma violação dos direitos e prerrogativas dos defensores constituídos nos autos e tomaremos todas medidas jurídicas cabiveis”, diz em nota.

Os advogados também provocam o posicionamento de Moro. Eles citam o vídeo publicado no último sábado (6) em que o magistrado falou fora dos autos, por meio de uma página no Facebook criada por sua esposa, pedindo que apoiadores da Lava Jato não compareçam na Justiça Federal no dia do interrogatório. “Sucede que quem tem agido como um político -conclamando apoiadores por meio de vídeos caseiros -, é Moro e não a defesa de Lula”, destaca a defesa do ex-presidente.

> “Não venham, não precisa”, diz Moro a apoiadores da Lava Jato

Segundo os advogados, o caso será encaminhado para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) na intenção que providências sejam tomadas.


Íntegra da nota:

Sergio Moro além de tolher de forma arbitrária a prerrogativa dos advogados de gravar a audiência – ato reconhecido pela OAB/PR – também fez a grave acusação de que a própria defesa do ex-Presidente Luiz Inacio Lula da Silva poderia usar tais gravações para “fins politico-partidários”.

O juiz comete erro gravíssimo ao declarar que o cliente e sua defesa chamaram manifestantes. Talvez ele tenha se acostumado a fazer acusações sem provas, mas essa é mais uma violação dos direitos e prerrogativas dos defensores constituídos nos autos e tomaremos todas medidas jurídicas cabiveis.

Sucede que quem tem agido como um político -conclamando apoiadores por meio de vídeos caseiros -, é Moro e não a defesa de Lula.

O assunto será encaminhado à OAB para as providências cabíveis.

Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins


 

Acusação contra Lula

O ex-presidente Lula foi indiciado por corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. No inquérito, Lula é apontado como recebedor de vantagens pagas pela empreiteira OAS no triplex do Guarujá. Os laudos apontam melhorias no imóvel avaliadas em mais de R$ 777 mil, além de móveis estimados em R$ 320 mil e eletrodomésticos em R$ 19,2 mil. A PF estima que as melhorias tenham custado mais de R$ 1,1 milhão no imóvel do Guarujá.

Previous ArticleNext Article