Sérgio Moro cobra registros de visitas de Lula à cobertura no Guarujá

Redação


O juiz federal Sérgio Moro mandou ofícios ao síndico do condomínio Solaris e a um diretor da Tallento Construtora solicitando provas de que o ex-presidente Lula esteve neste prédio localizado no Guarujá, litoral paulista. O Ministério Público Federal (MPF) acusa o petista de ser o proprietário de um apartamento triplex comprado e reformado pela empreiteira OAS.

Documento oficial aponta que Lula não esteve no Guarujá depois de 2011, diz defesa

Ao síndico do prédio, Moro pede que sejam encaminhados em cinco dias qualquer registro de entrada e saída de Lula e da ex-primeira-dama Marisa Letícia. O juiz responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância também solicita imagens das câmaras de segurança, lista de moradores e prestadores de serviços desde 2009, além de eventuais cobranças movidas pelo condomínio contra a empreiteira OAS.

> Em gravação, Moro debocha de advogados de Lula
> Zelador do Triplex se ofende e chama advogados de Lula de “lixo”

Capturar-20-e1480521730594Ao diretor da Tallento Construtora, o juiz federal Sérgio Moro pede que sejam enviados – também em cinco dias – qualquer contato feito pela empresa com Lula ou Marisa Letícia. Caso exista esse contato, o magistrado determina que sejam enviadas cópias das correspondências.

> Defesa levanta suspeita sobre e-mail recebido na véspera da busca e apreensão no Instituto Lula

Ainda nesta semana, a defesa do ex-presidente apresentou documentos oficiais enviados pela Secretaria Geral da Presidência da República informando que Luiz Inácio Lula da Silva esteve pela última vez no Guarujá em janeiro de 2011. Os advogados ainda alegam que o acusado esteve apenas uma vez no edifício Solaris. Nesta oportunidade, Lula estaria avaliando a possibilidade de comprar o imóvel – o que não aconteceu, de acordo com esta versão.

> Engenheiro diz que reforma do tríplex custou R$ 770 mil e que Marisa visitou obra

Lula é réu nesta ação penal que apura, além da compra e reforma deste do apartamento triplex 164-A, o aluguel de depósitos para a guarda de bens presidenciais. De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF), esse esquema de corrupção movimentou mais de 87 milhões de reais.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="423607" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]