Solto, Dirceu é cercado por manifestantes na JF, em Curitiba

Jordana Martinez


O ex-ministro José Dirceu deixou o Complexo Médico Penal (CMP), em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), na tarde desta quarta-feira (03).

Dirceu seguiu, escoltado por seis viaturas da Polícia Federal (PF), até a sede da Justiça Federal (JF) para a colocação da tornozeleira eletrônica.

O juiz federal Sérgio Moro determinou que o ex-ministro deve utilizar o equipamento para cumprir as medidas cautelares impostas pelo juízo. “Embora tais medidas não previnam totalmente eventual fuga, pelo menos a dificultam”, alegou Moro.

Na chegada, o carro em que Dirceu estava foi cercado por manifestantes contrários e a favor da liberdade do ex-ministro e os policiais tiveram agir e liberar a passagem.

[insertmedia id=”BbaVTa6i73M”]

Imagens: Julio Cesar Lima/Paraná Portal

A saída de José Dirceu da penitenciária também foi acompanhada por representantes de uma série de movimentos sociais que protestaram contra a liberação do ex-ministro.

“Foi solto ontem de forma covarde pelo STF, a gente está com essa faixa aqui fazendo protesto, a Lava Jato prende e o STF solta. A gente não vai deixar que o STF atrapalhe o trabalho do juiz Sérgio Moro”, afirmou Cristiano Roger, do Movimento Curitiba Contra a Corrupção.

Na noite de ontem (2) o Supremo Tribunal Federal decidiu revogar a prisão preventiva de Dirceu e determinou que ele não deve cumprir prisão domiciliar.

 

Entre as medidas cautelares de Moro está a presença obrigatória em todos os atos do processo, a entrega do passaporte, proibição de se encontrar com outros coacusados ou testemunhas das ações penais quais responde, proibição de deixar a cidade onde mora e o país.

Com a tornozeleira eletrônica, José Dirceu segue para São Paulo. Em petição protocolada na tarde desta quarta-feira, os advogados do ex-ministro pediram ao juiz que o endereço do domicílio de Dirceu seja mantido em sigilo.

Devido aos bens sequestrados e bloqueados pela Justiça, o juiz não exigiu fiança para a soltura. “Seria oportuna a exigência de fiança para garantir a presença do condenado nos atos do processo, a futura execução da pena, bem como o ressarcimento dos cofres públicos pela propina comprovadamente recebida nos casos já julgados. No entanto, já há ação de sequestro proposta contra o condenado na qual foram submetidos à constrição alguns bens de seu patrimônio em seu nome e em nome de pessoas interpostas . Então, por ora, não é o caso de exigir fiança adicional”.

 

Prisão de Dirceu na Lava Jato

Dirceu está preso desde agosto de 2015 no Complexo Médico-Penal em Pinhais, Região metropolitana de Curitiba. Em maio do ano passado, José Dirceu foi condenado a 23 anos de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Posteriormente, o ex-ministro da Casa Civil teve a pena reduzida para 20 anos e 10 meses. Ele foi acusado de receber mais de R$ 48 milhões por meio de serviços de consultoria, valores que seriam oriundos de propina proveniente do esquema na Petrobras, de acordo com os procuradores da Lava Jato.

Nova denúncia

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou nova denúncia contra José Dirceu por lavagem de dinheiro na terça-feira (2).

O processo envolve 33 crimes de lavagem de dinheiro cometidos entre abril de 2011 e outubro de 2014. Segundo o MPF, a propina paga para fraude em licitação teria sido de R$ 2,4 milhões. Os pagamentos teriam sido feitos pelas empreiteiras Engevix e UTC, em contratos com a Petrobras.

  • Denúncia contra Dirceu foi antecipada para informar STF, diz Dallagnol

Os procuradores não apresentaram novo pedido de prisão contra ele.

 

 

 

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.