Testemunhas negam participação de Cunha em Benin e indicações à Petrobras

Fernando Garcel


O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância, ouviu seis testemunhas arroladas pela defesa do ex-presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) nesta quinta-feira (7). Todas as testemunhas negaram ou disseram desconhecer que Cunha tenha indicado nomes para a diretoria da Petrobras ou tenha participado do processo de compra dos campos de petróleo em Benin, na África.

Em Minas Gerais participaram de audiências o deputado estadual João Lucio Magalhães Bifano e o vice-governador Antônio Eustáquio Andrade Ferreira. Em Brasília falaram os deputados federais Leonardo Lemos Barros Quintão e José Saraiva Felipe – todos os políticos são do PMDB. Além deles também prestou depoimento pela manhã o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) José Múcio Monteiro e o o ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Lyra Alves.

Lula diz desconhecer participação de Cunha em compra de campos no Benin

A defesa de Eduardo Cunha também pretendia ouvir o advogado José Tadeu de Chiara – que já foi ouvido como testemunha do político quando o então presidente da Câmara respondia a um processo no Conselho de Ética. A Justiça Federal, contudo, alega que a audiência com o advogado precisou ser remarcada duas vezes, por motivos de saúde. A defesa do peemedebista insiste no depoimento, portanto a audiência deve ser remarcada para a semana que vem, entre os dias 14 e 16 de dezembro. Caso não seja possível, o depoimento deve ficar apenas para o mês de fevereiro, por conta do recesso judiciário. As seis testemunhas de defesa são as últimas a prestar depoimento. Ao todo, 22 pessoas foram indicadas pelos advogados de Eduardo Cunha.

As audiências dessa fase do processo começaram no mês de novembro. O ex-deputado é réu na Justiça Federal do Paraná e foi preso preventivamente por determinação do juiz Sérgio Moro, depois que teve o mandato cassado e perdeu o foro privilegiado. Ele responde por crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Confira os depoimentos desta quarta-feira:

[insertmedia id=”Oyd6RShSkmk”]
[insertmedia id=”Ek6Z5_gqE34″]
[insertmedia id=”9C-U2aGYhT4″]
[insertmedia id=”AMkDMxpeQco”]
[insertmedia id=”tFPpnRIysnE”]
[insertmedia id=”7GlKgcrzWFM”]

Eduardo Cunha preso

Eduardo Cunha está preso em Curitiba, na carceragem da Polícia Federal desde o dia 19 de outubro. Ele é acusado de receber propina em contratos de exploração de Petróleo da Petrobrás e de usar contas na Suíça para lavar dinheiro. A defesa do ex-deputado nega as acusações.

> Preso, Cunha chega à carceragem da Polícia Federal

Os procuradores do Ministério Público Federal mantém a prisão alegando que há possibilidade de fuga dele para o exterior, onde o ex-parlamentar teria recursos escondidos.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="401997" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]