Transparência Internacional quer “internacionalização” da Lava Jato

Jordana Martinez


Lenise Klenk /BandNewsCuritiba

O desempenho da Operação Lava Jato levou a Transparência Internacional a iniciar estudos para a instalação no país de um Sistema Nacional Anticorrupção. Trata-se de um centro de análise do perfil das principais instituições públicas e, a partir de dados, apresentar propostas para melhorar os níveis de segurança e combate à corrupção.

Na primeira visita ao Brasil como presidente da Transparência Internacional, José Carlos Ugaz esteve nesta segunda-feira (27) em Curitiba com o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas ações penais da Lava Jato, e com o coordenador da Força Tarefa Lava Jato no Ministério Público Federal, Deltan Dallagnol.

Ugaz diz que iniciativas de combate à corrupção como a Lava Jato no Brasil e os casos da Guatemala, Honduras e Peru servem de modelo para o mundo.

Com a visita ao Brasil, o presidente da Transparência Internacional, que está formalizando a abertura de uma representação no país, está discutindo uma proposta de internacionalização da Lava Jato, com atuação coordenada e conjunta de órgãos de fiscalização de diferentes países. A prioridade são aqueles que têm negócios com as mesmas empreiteiras investigadas no Brasil.

O representante da Transparência Internacional no Brasil, Bruno Brandão, diz que a instituição pode ajudar a construir elos para facilitar a cooperação internacional no combate à corrupção. “A Lava Jato chamou atenção do mundo no combate à corrupção. É uma experiência que tem que deixar lições para outros países e para o Brasil. A transparência Internacional chega também com interesse de registrar essa experiência e transmitir isso para outros países, e também internacionalizar a Lava Jato no seu alcance jurídico”, afirmou.

Os representantes da Transparência Internacional também aproveitaram a viagem a Curitiba para agendar uma visita ao jornal Gazeta do Povo, em apoio aos jornalistas que têm sido alvo de uma série de processos movidos por magistrados do Paraná, depois da publicação de reportagens sobre rendimentos de juízes.

O presidente da instituição, José Ugaz, diz lamentar que a Justiça, que tem o papel de assegurar o direito dos cidadãos, se envolva em uma atitude perseguição a jornalistas.

Curitiba é a primeira capital brasileira na agenda da Transparência Internacional, que também inclui compromissos em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro nesta semana.

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.