Tribunal nega recurso e mantém proibição de acampamentos

Roger Pereira


O Tribunal de Justiça do Paraná negou nesta segunda-feira (8) habeas corpus impetrado pela Defensoria Pública do Paraná para suspender a liminar que proíbe acampamentos em ruas e praças de Curitiba em função do interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para a próxima quarta-feira (10).

Atendendo a ação de interdito proibitório movido pela Prefeitura Municipal de Curitiba, a juíza Diele Denardin Zydek, da 5ª Vara da Fazenda Pública proibiu a montagem de qualquer estrutura para acampamento na cidade entre as 23 horas desta segunda-feira e as 23h de quarta-feira, para “garantir a segurança da população no entorno do prédio da Justiça Federal e assegurar a segurança pública”, diante das notícias de que mais de 20 mil pessoas virão para a capital paranaense por conta do depoimento do ex-presidente.

No habeas corpus, a Defensoria alegou que a proibição fere os direito à livre circulação e de manifestação. De acordo com a defensora pública Camille Vieira da Costa, coordenadora do Núcleo da Cidadania e Direitos Humanos, a decisão de primeira instância fere o direito à livre circulação e de manifestação. “A nossa perspectiva é a de garantir o direito de ir e vir de todas as pessoas, independentemente do posicionamento político”, observa Camille.

“O Estado Brasileiro passa por grave crise política, a qual se revela como o momento histórico mais importante desde a redemocratização e o fim da Ditadura Militar. Parte da população tem se mobilizado em torno de importantes decisões, sejam elas tomadas pelo Poder Executivo, Legislativo ou Judiciário. A Operação Lava-Jato e a sua repercussão no cenário político têm ensejado o acirramento da polarização política e manifestações contrárias e a favor do Juiz Sérgio Moro e do ex-presidente Lula e do Partido dos Trabalhadores, o que é natural, desejável e deve ser de toda forma fomentado num Estado Democrático de Direito, uma vez que o debate é fundamental para o fortalecimento tanto da democracia, das instituições do Estado, quanto das organizações da sociedade civil”, diz trecho do documento impetrado pelos defensores públicos Camille Vieira, Olenka Martins Rocha, Bruno Passadore e Daniel Alves Pereira.

A Defensoria Publica afirmou que vai recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) ainda nesta segunda.

Proibição de acampamentos não impede manifestações em Curitiba
10 fatos que talvez você não saiba sobre o “Lula Day”

 

Previous ArticleNext Article
Repórter do Paraná Portal
[post_explorer post_id="429854" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]