Youssef presta depoimento como testemunha de acusação contra Eduardo Cunha

Andreza Rossini


Da BandNews Curitiba

O doleiro Alberto Youssef, um dos principais delatores da Lava Jato, prestou depoimento na manhã desta quinta-feira (21), na Justiça Federal em Curitiba, como testemunha de acusação em uma ação penal contra o deputado federal afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). No processo, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), Cunha é acusado de receber US$ 5 milhões em propina que tem origem em contrato da Petrobras para operação de navios-sonda.

Nesta quarta-feira, (20), o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, rejeitou um pedido de Cunha para suspender as audiências de testemunhas da ação penal. Também nesta quinta-feira, no período da tarde, o casal de publicitários João Santana e Mônica Moura será interrogado, em ação penal decorrente da 23.ª Fase da Lava Jato. Outros dois réus com depoimentos marcados para a mesma audiência são o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e o operador financeiro Zwi Skornicki.

João Santana e Monica Moura estão presos desde fevereiro, quando foi deflagrada a operação chamada de Acarajé. Os dois chegaram a ficar em unidades prisionais da região metropolitana de Curitiba. Em 15 de junho, eles foram transferidos de volta à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O motivo seria mais uma tentativa da defesa do casal de firmar um acordo de delação premiada.

No início de abril, Mônica Moura tentou acordo individual, que não teria prosperado. Agora, o casal teria manifestado intenção de negociar uma delação conjunta. A primeira ação penal da Lava Jato a que os dois respondem apura pagamentos ilegais no exterior, incluindo movimentações financeiras da empreiteira Odebrecht.

Os investigadores identificaram o pagamento de pelo menos 200 milhões de dólares em propina envolvendo 14 atos de corrupção e 12 de lavagem de dinheiro. De acordo com a denúncia, 30 milhões de dólares foram para a gerência de serviços da Petrobras, comandada por Renato Duque. Os procuradores ainda apontam que 50% desse valor foram destinados para o Partido dos Trabalhadores e o restante, para funcionários da Petrobras.

A Força Tarefa da Lava Jato acusa o casal João Santana e Monica Moura de ter recebido parte dessa propina, sendo que os valores teriam sido retirados do montante que cabia ao PT.

Previous ArticleNext Article