Destaque 2
Compartilhar

Palocci conta que Lula perguntou quem nomeou diretores corruptos para Petrobras e ouviu você mesmo como resposta

Em trecho de sua delação premiada tornado público nesta segunda-feira, o ex-ministro Antônio Palocci disse que foi procu..

Roger Pereira - 01 de outubro de 2018, 16:15

Foto: Pedro Ladeira / Folhapress
Foto: Pedro Ladeira / Folhapress

Em trecho de sua delação premiada tornado público nesta segunda-feira, o ex-ministro Antônio Palocci disse que foi procurado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que o indagou, irritado, sobre notícias de que os diretores da Petrobras Renato Duque e Paulo Roberto Costa estavam envolvidos em crimes de corrupção. Segundo Palocci, Lula o questionou se ele tinha ciência dos crimes e quem havia nomeado tais diretores. O ex-ministro relatou à Polícia Federal que respondeu a Lula que sabia dos crimes que que fora o próprio Lula que os havia nomeado e que os diretores estavam agindo de acordo com parâmetros que já tinham sido definidos pelo próprio PT e PP quando das nomeações.

Palocci relatou que explicitou a Lula que ele sabia muito bem porque houve a indicação pelo PP de um diretor, uma vez que o PP não fez aquilo para desenvolver sua política junto à Petrobras, até porque nunca as teve; “que a única política do PP era a de arrecadar dinheiro; que não havia sentido em se acreditar que o PP estaria contribuindo com políticas para a exploração do petróleo”.

O termo de delação de Palocci e um dos anexos de seu depoimento foram tornados públicos nesta segunda-feira pelo juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, no processo em que Lula e Palocci são réus pelo suposto pagamento de propina por parte da Odebrecht na aquisição do apartamento vizinho ao que o ex-presidente reside, em São Bernardo do Campo e na aquisição de um terreno em que seria construída a sede do Instituto Lula. No despacho, Moro alega que a divulgação não traz riscos para as investigações.

Segundo Palocci, mesmo após a conversa, em 2007, Lula nada fez para conter os ilícitos na estatal, pelo contrário, atendeu à reclamação do PMDB e nomeou Jorge Zelada para a diretoria internacional da companhia, para que ele tratasse da arrecadação ao PMDB.

Palocci contou que acredita que Lula agiu daquela forma (questionando e dizendo não ter conhecimento dos atos de corrupção) porque as práticas ilícitas dos diretores da estatal tinham chegado aos seus ouvidos e ele queria saber qual era a dimensão dos crimes, bem como sua extensão, e também se o ex-ministro aceitaria sua versão de que não sabia das práticas ilícitas que eram cometidas em ambas as diretorias, uma espécie de teste de versão, de defesa, com um interlocutor.

Segundo o ex-ministro essa prática empregada por Lula era muito comum; “que era comum Lula, em ambientes restritos, reclamar e até esbravejar sobre assuntos ilícitos que chegavam a ele e que tinham ocorrido por sua decisão; que a intenção de Lula era clara no sentido de testar os interlocutores sobre seu grau de conhecimento e o impacto de sua negativa”, contou.