Paraná anuncia projeto-piloto de transporte por aplicativo para parte da administração estadual

CBN Curitiba


O governo do Paraná anunciou nesta segunda-feira (10) a implantação do projeto-piloto que visa reduzir custos com transporte na administração estadual. Nesta primeira etapa, alguns órgãos deixarão de usar carros oficiais que fazem tarefas administrativas em Curitiba e passarão a contar com o serviço de transporte individual externo.

Os veículos atualmente destinados a esses deslocamentos serão remanejados para atividades-fim do Estado, particularmente em Saúde e Segurança.

Com o serviço, o Estado deve economizar em média 50% por quilômetro rodado. Os veículos substituídos serão usados no atendimento direto da população, a exemplo do que já acontece com as Patrulhas Maria da Penha, em que alguns veículos utilizados pelos secretários de Estado foram destinados aos municípios para atender as ocorrências de violência doméstica.

Os contratos foram assinados por cada um dos órgãos participantes com a empresa Mega Táxi Brasil, vencedora do processo licitatório. O sistema prevê o uso de aplicativo para registro das chamadas, o TaxiGov. Segundo o governo do Estado, a nova medida é inspirada no modelo usado em São Paulo e vai reduzir custos com combustível, manutenção, motorista e impostos, além do gasto com a aquisição de veículos e posterior depreciação.

De acordo com a Secretaria da Administração e da Previdência, a economia esperada fica em torno de 50%. Um estudo elaborado pelo Ipardes (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social) apontou que a despesa média de veículos nas funções administrativas do Estado é de cerca de R$ 6,50 por quilômetro.

Nesse cálculo levou-se em conta manutenção, abastecimento, depreciação e custos com motorista. Na licitação para o novo serviço, o preço do quilômetro rodado caiu para R$ 3,70.

A medida não abrange os veículos destinados às áreas de Saúde e Segurança Pública – como ambulâncias e viaturas policiais. Além disso, outros órgãos que possuem carros destinados a trabalhos administrativos em Curitiba poderão aderir ao sistema durante ou após o projeto-piloto.

Com informações da AEN.

Previous ArticleNext Article