Paraná pode se tornar parceiro da Rússia para produzir vacina contra Covid-19

Redação

paraná, rússia, parceria, acordo, cooperação técnica, lacen, vacina, corona, coronavírus, covid, covid-19

Um acordo de cooperação técnica foi tratado nesta sexta-feira (24), em Brasília, durante um encontro entre emissários do Paraná e da Rússia. O estado se aproxima do país para se tornar um parceiro na produção da vacina contra o novo coronavírus (Covid-19).

Participaram do encontro o chefe da Casa Civil, Guto Silva, e o embaixador da Rússia no Brasil, Sergey Akopov.

A Rússia está na fase final de testes da vacina contra a Covid-19. O Paraná, por sua vez, colocou à disposição daquele país a estrutura e os técnicos do Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná.

Atualmente, o órgão é parceiro da Fiocruz e do IBMP (Instituto de Biologia Melocular do Paraná).

“Tivemos a aprovação do embaixador e agora os protocolos do acordo serão preparados pelas equipes do Paraná e da Rússia. Em seguida será agendada uma reunião dele com o governador Ratinho Junior para a finalização dessa parceria, que pode incluir, ainda, a produção de medicamentos para a doença”, informou o chefe da Casa Civil.

Em outra frente, Guto Silva também conversou com o Ministro Conselheiro da Embaixada da China, Qu Yuhui, sobre a testagem e produção da Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech.

Nos próximos dias, o embaixador e sua equipe também terão uma conversa com o governador para definir a operacionalização da testagem de vacina e de medicamentos no Estado.

PARANÁ QUER GARANTIR VACINA CONTRA COVID-19

Vacinas contra a Covid-19 são pesquisadas e testadas em todo o mundo. O Brasil já estabeleceu parcerias com o Reino Unido e com a China, que estão em fases avançadas dos estudos.

A expectativa é de que as primeiras vacinas estejam disponíveis a partir do primeiro semestre de 2021.

Independentemente de qual país concluir primeiro os estudos, seja Rússia, China ou Reino Unido, o Paraná pretende garantir as doses necessárias para imunizar a população.

O estado abriu um crédito extra de R$ 100 milhões para que a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) compre a vacina contra o novo coronavírus (Covid-19) assim que o insumo estiver disponível.

*Com informações da AEN

Previous ArticleNext Article