Política
Compartilhar

Passaporte da vacina é uma bobagem, diz Ratinho Junior

Governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD) se mostrou contrário ao passaporte da vacina contra a covid-19, que exige o c..

Redação - 15 de dezembro de 2021, 08:30

(Divulgação/AEN)
(Divulgação/AEN)

Governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD) se mostrou contrário ao passaporte da vacina contra a covid-19, que exige o comprovante da vacinação para entrar em estabelecimentos, estados ou país.

"Eu acho meio bobagem isso. 97% da população está vacinada. Aqui nós temos 2% ou 3% de pessoas que não quis e eles estão vendo que é importante se vacina. Acho que na Europa até justifica, porque a Europa está com 30%, 40% da população vacinada, 40%", disse ele em entrevista à Jovem Pan, mostrando-se a favor a casos de estrangeiros que venham ao Brasil.

A declaração é alinhada ao governo de Jair Bolsonaro, que enxerga a exigência da vacina como um ataque à liberdade individual e menosprezou a recomendação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

"A gente pergunta: por que o passaporte vacinal? Essa coleira que querem botar no povo brasileiro... Cadê nossa liberdade? Prefiro morrer que perder minha liberdade. Não sou contra a vacina, porque nós compramos mais de 600 milhões de doses. a nossa liberdade não tem preço", disse o presidente na semana passada.

STF JULGA PASSAPORTE DA VACINA

Ontem (14), o ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal) fez uma flexibilização em relação à decisão de exigir o comprovante da vacinação contra a covid-19 que chegam ao Brasil. Após a determinação do último sábado, que contrariou o governo federal, Barroso anulou a obrigatoriedade para brasileiros que viajaram ao exterior até ontem.

Com a nova decisão, os viajantes que sejam brasileiros ou estrangeiros que moram no Brasil podem voltar ao país com a apresentação de um teste negativo para covid e preencher uma declaração de saúde. No entanto, quem viajar para fora do Brasil a partir de hoje (15) estão sujeitos à exigência do passaporte da vacina.

Uma sessão extraordinária do STF está marcada para hoje com o intuito de confirmar ou derrubar a decisão de Barroso. Ou seja, o colegiado vai discutir e definir a obrigatoriedade do passaporte da vacina.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou que começou a cobrar o comprovante de quem entra no país, seguindo a decisão do STF. No entanto, uma reportagem da Folha de S. Paulo aponta que a prática é parcial e que há passageiros entrando no país sem apresentar o comprovante.