52% dos brasileiros acreditam que Moro errou ao assumir ministério, diz pesquisa

Angelo Sfair

moro errou pesquisa ministério da justiça juiz, projeto anticrime, camara, moro

Uma pesquisa de opinião publicada neste sábado (29) pelo Instituto Paraná Pesquisas, aponta que 52,1% dos brasileiros acreditam que o ex-juiz Sergio Moro errou ao deixar a magistratura para entrar no mundo político.

Moro era responsável por presidir as ações penais da Operação Lava Jato que tramitavam na 13.ª Vara Federal de Curitiba. Em novembro do ano passado, ele pediu exoneração do cargo no Judiciário para chefiar o Ministério da Justiça e Segurança Pública no governo de Jair Bolsonaro (PSL).

No entanto, apesar de reprovada pela maioria, a mudança de carreira tem apoio de parcela importante da população – 40,7% dos brasileiros acreditam que Moro acertou, segundo a pesquisa. 7,2% dos entrevistados disseram que não sabem a resposta ou preferiram não opinar.

+ Leia também:

Moro errou? Homens, idosos e pessoas com baixa escolaridade apoiam mais

O apoio ao ministro Sergio Moro é maior entre o público do sexo masculino. 45,3% dos homens aprovaram a mudança; entre as mulheres, apenas 36,7% acreditam que o ex-juiz fez a escolha correta.

O porcentual de pessoas que acham que Sergio Moro acertou ao aceitar o cargo de ministro da Justiça e Segurança pública aumenta à medida que faixa etária é maior. A pesquisa aponta que apenas 35,9% dos jovens com idades entre 16 a 24 anos aprovam a troca. No entanto, entre as pessoas com 60 anos ou mais o índice sobe para 45%.

O inverso acontece com a escolaridade: o apoio é maior entre os que estudaram menos (Ensino Fundamental: 40,7% aprovam, 51% desaprovam); e menor entre os que estudaram mais (Ensino Superior: 39,7% aprovam, 55,6% acreditam que Moro errou).

Apoio do presidente

Prestigiado pelo chefe do Executivo, Moro teve o cargo assegurado mesmo após as revelações do The Intercept Brasil. O portal tem publicado uma série de reportagens com base em um pacote de mensagens trocadas pelo celular obtidas pelo site. O conteúdo sugere que Moro ultrapassou os limites da Constituição Federal em sua relação com membros da força-tarefa Lava Jato no MPF-PR (Ministério Público Federal no Paraná).

Entre as conversas reveladas pelo The Intercept estão orientações, sugestões e indicações do ex-juiz a procuradores. Segundo as conversas publicadas pelas reportagens, Moro chegou a indicar fontes e reclamar do desempenho de uma procuradora da República, entre outras atitudes que conflitam com o CPP (Código de Processo Penal).

O ministro da Justiça e Segurança Pública considerou alguns dos diálogos revelados como “descuidos”. Em outras oportunidades, Moro disse não se lembrar do conteúdo. O ex-juiz também alega ter sido vítima de ataques hackers.

Metodologia da pesquisa

O Paraná Pesquisas ouviu 2.102 brasileiros, em 158 municípios diferentes, entre os dias 20 e 25 de junho. As entrevistas foram estratificadas segundo sexo, faixa etária, escolaridade, nível econômico e posição geográfica.

A amostra da pesquisa confere aos dados gerais publicados pelo Instituto um grau de confiança de 95% e uma margem estimada de erro de aproximadamente 2% para mais ou para menos.

Previous ArticleNext Article