Prefeito de Londrina é acusado de reduzir custo de IPTU do próprio condomínio

Andreza Rossini


O juiz Marcos José Vieira da  1ª Vara de Fazenda Pública de Londrina, no norte do Paraná, negou o pedido do Ministério Público do Paraná (MPPR), para bloquear R$ 1,6 milhão em bens do prefeito do município, Marcelo Belinati (PP).

De acordo com a denúncia do MP, o político reduziu os custos de IPTU do Condomínio Village Premium, onde mora. Além disso, os moradores do local ficaram isentos do pagamento de taxa de lixo entre 2015 e 2017.

O valor de R$ 1,6 milhões seriam destinados a pagamento de multa.

“No exercício de sua atuação funcional, promoveu ampla divulgação sobre a necessidade de atualizar a planta de valores municipal a título de imposto predial e territorial urbano (IPTU),  permitindo, todavia, a exclusão de inúmeros condomínios da adequada e efetiva atualização da planta de valores imobiliária (diante da ausência de individualização das unidades imobiliárias, nos
condomínios respectivos e falta de pagamento de taxa de lixo), em especial o condomínio Village Premium, local onde é morador”, afirmam os procuradores do Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa da Região, na ação civil pública.

Ele foi denunciado pelo crime de improbidade administrativa.  Segundo o MP, o condomínio só foi devidamente regularizado neste ano, após a instauração do inquérito.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="541690" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]