Prefeito nomeia novos secretários após prisões em operação da PF

Fernando Garcel


O prefeito de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, Reni Pereira (PSB) nomeou Luiz Roberto Volpi como responsável pela Secretaria municipal de de Obras e Rui Alberto Hauenstein para a direção de Pavimentação após a prisão do ex-secretário da pasta, Carlos Juliano Budel, na segunda fase da Operação Pecúlio. A nomeação deve ser publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (4).

A operação da Polícia Federal investiga irregularidades em processos licitatórios de prestação de serviço e o desvio de quantias milionárias de recursos públicos federais, entre eles do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Sistema Único de Saúde (SUS), entre outros.

Desde a deflagração da operação, em 19 de abril, 16 pessoas já foram presas, sendo seis preventivamente, quando não há prazo para liberação. Os outros dez cumpriram prisão temporária e foram liberados. Os alvos dos mandados de prisão são, em sua maioria, de empresários da região e de ex-agentes políticos.

De acordo com a Controladoria Geral da União (CGU), ao menos R$ 4 milhões em contratos fraudulentos entre a prefeitura de Foz do Iguaçu e empresas da região foram desviados. “Restrições de competição e outras fraudes formais e contratuais; irregularidades que comprometeram a execução contratual; e irregularidades relacionadas com prejuízo ao Erário (como superfaturamento, por exemplo). Foi identificada, ainda, participação de pessoas ligadas à Administração Municipal em empresas, por meio de interpostas pessoas que mantêm importantes contratos com o município”, diz o comunicado da CGU.

CPI

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu discutiu a investigação na sessão plenária de terça-feira (3). Os vereadores indicaram a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para acrescentar e colaborar com as investigações da Polícia Federal. Segundo os parlamentares, a ideia é agilizar o recolhimento de provas que identifiquem os envolvidos no esquema de corrupção.

O pedido de abertura da CPI foi proposto por seis vereadores e a votação em plenário foi dispensada. Os parlamentares Dilto Vitorassi (PV) e Edílio Dall’Agnol (PSC) fazem parte da comissão e Nilton Bobato (PCdoB) será o relator do processo.

Antes de começar os trabalhos na CPI, os vereadores devem concluir os trabalhos de uma das cinco que estão em andamento na Câmara.

Notícias relacionadas

Previous ArticleNext Article