Política
Compartilhar

Professores e servidores estaduais fazem paralisação em Curitiba

O principal motivo é a reivindicação da data-base, que serve como parâmetro para o reajuste anual dos salários dos trabalhadores da educação.

Johan Gaissler - 21 de junho de 2022, 15:05

(Foto: Ernani Ogata/Código 19/Folhapress)
(Foto: Ernani Ogata/Código 19/Folhapress)

Professores e demais servidores estaduais fazem uma paralisação nesta terça-feira (21) em Curitiba. O ato teve início às 9 horas na praça 19 de Dezembro, no Centro Cívico. O principal motivo é a reivindicação da data-base, que serve como parâmetro para o reajuste anual dos salários dos trabalhadores da educação.

Segundo a APP Sindicato, que representa os profissionais da educação pública do estado, a interrupção dos serviços acontece em todo o Paraná. Entre outros motivos, também estão a luta contra o assédio no ambiente escolar e melhores condições de trabalho a serem fornecidas pelo Governo do Paraná.

O sindicato afirma, ainda, que quase 10 mil pessoas estão na mobilização em Curitiba. O protesto também manda um recado ao governador Ratinho Junior (PSD), através de uma paródia da música 'Acorda Pedrinho', do grupo Jovem Dionísio.

Parte da canção diz: "Nem os policiais, nem os professores aguentam mais seu desgoverno. Acorda, Ratinho, que teu desgoverno acabou. Nem vem contar comigo, pra você meu voto eu não dou". A paródia critica, ainda, o apoio do governador do estado ao presidente Jair Bolsonaro (PL).

Procurado pela reportagem, o Governo do Paraná disse que aplicou um reajuste de 3% para todos os servidores em 2022. Na educação, foi implementada uma gratificação para diretores. E na segurança pública, todas as carreiras ganharam a possibilidade de diárias extrajornadas.

PROFESSORES QUEREM REAJUSTE SALARIAL

Os professores querem um reajuste salarial seguindo a data-base. “Cada trabalhador tem o dever de conversar com seus colegas e ajudar a construir um ato histórico. São nossos direitos e a nossa vida profissional que estão em jogo. Precisamos mostrar para a sociedade a realidade vivida dentro e fora das escolas”, convocou a presidente da APP Sindicato, Walkiria Mazeto.