Política
Compartilhar

Putin diz que atacou Ucrânia por não ter escolha e para cumprir 'objetivos nobres'

Conforme o presidente russo, o país não tinha outra escolha a não ser dar início à operação para se proteger de "forças anti-Rússia".

Folhapress - 12 de abril de 2022, 09:47

Foto: Divulgação/Kremlin
Foto: Divulgação/Kremlin

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta terça-feira (12) que a "operação militar" de Moscou - o eufemismo usado pelo Kremlin para a Guerra na Ucrânia - vai alcançar o que ele chamou de "objetivos nobres".

Falando em um evento no leste do país, Putin foi citado por agências de notícias russas repetindo argumentos para justificar a invasão do território ucraniano ordenada em 24 de fevereiro.

Segundo ele, a Rússia não tinha outra escolha a não ser dar início à operação para se proteger. Para Putin, o confronto com "forças anti-Rússia" da Ucrânia era inevitável.

"Por um lado, estamos ajudando e salvando pessoas e, por outro, estamos simplesmente tomando medidas para garantir a segurança da própria Rússia", disse o presidente russo. "Está claro que não tivemos escolha. Foi a decisão certa."

Putin disse ainda que a principal meta da intervenção de Moscou é "salvar" pessoas na região do Donbass, no leste da Ucrânia. O território abrange Lugansk e Donetsk, onde separatistas apoiados por Moscou combatem forças ucranianas desde 2014.

Dias antes do início da guerra, a Rússia reconheceu os duas regiões como repúblicas independentes.

"Seus objetivos são absolutamente claros e nobres", disse Putin sobre a campanha militar que chega a seu 48º dia, com um saldo de milhares de mortos, ao menos 4,6 milhões de refugiados, cidades inteiras praticamente destruídas e um cenário de tensão que configura a mais grave crise de segurança na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.