Rejeição a Bolsonaro bate novo recorde e atinge 53%, aponta Datafolha

Redação

rejeição a bolsonaro, rejeição, bolsonaro, jair bolsonaro, datafolha, sete de setembro

A primeira pesquisa Datafolha após as manifestações de 7 de Setembro mostra que a popularidade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) segue em tendência de baixa. A rejeição a Bolsonaro atinge 53% dos brasileiros, o pior índice da série histórica.

As entrevistas foram feitas presencialmente, entre 13 e 15 de setembro, com 3.667 pessoas com mais de 16 anos, em 190 municípios do Brasil. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais, ou para menos. Os dados foram divulgados hoje (16).

Até então, a maior rejeição a Bolsonaro havia sido registrada em julho, quando 51% dos brasileiros afirmavam que não concordavam com a atuação do chefe de Estado.

Segundo o Datafolha, 22% dos entrevistados avaliam o presidente como “bom” ou “ótimo”, contra 24% registrados na sondagem anterior. O índice de brasileiros que avaliam o mandato como “regular” se manteve o mesmo, aos 24%.

A nova pesquisa sugere que as manifestações de 7 de Setembro, com cenas de apoio ao presidente Jair Bolsonaro em capitais como Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, refletem o nicho ideológico que sempre sustentou o político.

Na ocasião, Bolsonaro manteve um tom golpista, que agrada a ala ideológica dos apoiadores. Mas, no dia seguinte, voltou atrás e atribuiu as “palavras contundentes” ao “calor do momento”.

REJEIÇÃO A BOLSONARO CRESCE NA CLASSE MÉDIA

De acordo com o Datafolha, em setembro, houve um aumento expressivo na reprovação do presidente entre quem ganha de 5 a 10 salários mínimos. A rejeição era de 41% em julho, e agora é de 50%.

Também cresceu a rejeição a Bolsonaro entre a população idosa. As pessoas com mais de 60% que não concordavam com as ações do mandato passaram de 45% para 51%, na comparação entre julho e setembro.

Entre os mais ricos, diminuiu a parcela que reprova o presidente. O porcentual de rejeição caiu de 46% para 38%.

Conforme o Datafolha, 61% das pessoas com Ensino Superior afirmam que o governo é “ruim” ou “péssimo”. Entre quem cursou o Ensino Médio, a reprovação é de 48%.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="790468" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]