Requião surpreende e defende Beto Richa sobre denúncias

Fernando Garcel


O senador e ex-governador Roberto Requião (PMDB) defendeu que o atual governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), investigado pela Operação Publicano e Quadro Negro, só seja afastado do cargo e preso após o fim de todo o processo legal.

Requião declarou que acredita na veracidade das delações premiadas contra Richa, mas que isso não pode ser parâmetro para tirar o governador do Palácio Iguaçu.

“Eu fiz curso de Direito e sou advogado, em respeito a meus professores e a tudo o que aprendi, quero dizer que […] Beto Richa deve ter direito o processo legal e uma ampla defesa. Só então, se condenado, deve ser afastado e preso”, declarou o senador.

Delator diz que dinheiro desviado de obras de escolas financiou campanha de Beto Richa
PGR pede que STJ abra inquérito para investigar Beto Richa

Operação Quadro Negro

Uma das consequências da recente homologação do acordo de colaboração premiada do empresário Eduardo Lopes de Souza, na esteira da Operação Quadro Negro, pode ser a abertura de uma investigação para apurar qual o envolvimento de Beto Richa com os fatos narrados pelo delator. Se a apuração for iniciada, o tucano se tornará, pela quarta vez, alvo de um inquérito criminal em Brasília.

Irmão de vice-governadora recebeu propina de construtora da Quadro Negro, diz delator
Richa promete processar delator da Operação Quadro Negro
Dois réus da operação Quadro Negro firmam acordo de delação

Operação Publicano

A ministra Nancy Andrighi, do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), determinou o envio de todos os procedimentos judiciais referentes às investigações da Operação Publicano, nesta quinta-feira (28). O caso investiga fraudes na Receita Estadual do Paraná. A determinação foi tomada após um pedido da defesa de um dos réus.

O pedido levou em conta uma das delações premiadas feitas durante as investigações. Nela, o auditor Luiz Antônio de Souza, disse que parte da propina arrecadada com a fraude abasteceu a campanha do governador Beto Richa (PSDB) à reeleição, em 2014.

STF nega habeas corpus em favor de réus da Operação Publicano
Receita deixou de arrecadar R$ 2 bi com crimes da Publicano
Justiça condena ex-auditores da Receita a 10 anos de prisão

Previous ArticleNext Article