Rosinha ressalta necessidades diferentes de municípios e critica políticas de Richa

Fernando Garcel

1d38f18f-7daf-4c0e-89a6-efff20a3572f

O pré-candidato ao governo do Paraná Dr. Rosinha (PT) foi o primeiro a ser sabatinado pela Associação dos Municípios do Paraná (AMP), nesta terça-feira (3). Ele destaca as necessidades diferentes para cada região do Estado, a importância dos prefeitos para desenvolvimento dos municípios e questionou as políticas desenvolvidas no governo de Beto Richa.

Rosinha não descarta aliança com Requião e candidatura de Lula

Rosinha nasceu em Rolândia, é formado em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica (PUC), atuou em postos de saúde de Curitiba e foi um dos fundadores do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais Curitiba (Sismuc). Na capital, ele foi eleito vereador em 1988. Em 1990 se tornou deputado estadual e, em 1998, deputado federal, permanecendo no cargo por 16 anos. A trajetória política também passa pelo Parlamento do Mercosul, onde atuou como representante do governo Dilma Rousseff.

Em seu discurso, o pré-candidato frisa a importância do papel dos prefeitos para o desenvolvimento das regiões e que o Paraná não deve ser tratado como um território homogêneo, uma vez que cada região tem suas particularidades e demandas específicas. “O nosso estado não pode ser tratado de maneira igual. Pitanga é uma região que precisa de outro tipo de atenção política do que precisa Londrina ou a região oeste. Eu não vou tratar o Paraná como um único território. Existem inúmeros territórios com necessidades diferenciadas, seja na educação, saúde, agricultura”, aponta.

O pré-candidato também declarou que pretende elaborar planos de governo diferentes dos caminhos tomados pelo ex-governador Beto Richa, atual pré-candidato ao Senado pelo PSDB. Ele também apontou que as políticas do presidente Michel Temer (PMDB) foram feitas por Richa com antecedência.

“O Paraná é um baluarte da política executada por Michel Temer. Todas as maldades feitas por Temer foram feitas aqui com antecedência. A privatização via vendas de ações da Sanepar e da Copel, a desconstrução da escola pública e do Sistema Único de Saúde. Tudo que Temer fez de mal, aqui o Beto Richa antecipou. Eu, como governador, farei o oposto. Criarei outra proposta de administração com participação dos prefeitos e da população com transparência. Eu quero executar o processo de governo como democracia direta.”

Sabatina

Segundo a AMP, o critério para convite foi a posição na pesquisa pré-eleitoral veiculada pela Gazeta do Povo, no dia 9 de abril. Além de Rosinha, Cida Borghetti (PP), Osmar Dias (PDT) e Ratinho Júnior (PSD) também devem expor seus planos para os municípios do Estado.

Cada pré-candidato terá cinco minutos para uma fala inicial e na sequência respondem a cinco perguntas da AMP sobre temas da agenda municipalista. Cada resposta poderá ter no máximo quatro minutos. A sabatina se encerra com uma fala final com cinco minutos de duração.

Previous ArticleNext Article