São Paulo determina quarentena por 15 dias devido ao coronavírus

Redação

doria são paulo coronavírus

Em combate ao coronavírus, o governador de São Paulo João Dória anunciou neste sábado (21) que o estado decretou quarentena por 15 dias. A medida, anunciada um dia após o governo anunciar estado de calamidade pública, vale a partir da próxima terça-feira (24) até o dia 7 de abril.

“Isso implica na determinação, isto é, obrigação do fechamento todo o comércio e serviços não essenciais. Essa medida poderá estendida ou suprimida se houver necessidade”, disse Dória ao lado do prefeito da capital paulista, Bruno Covas.

“Serviços essenciais na área de saúde, alimentação, abastecimento, segurança e limpeza devem continuar a funcionar, resguardados os cuidados”, completou.

Mercados, padarias e açougues serão mantidos, mas serviços de alimentos preparados devem ser suspensos e funcionar a partir de delivery. Ou seja, bares, restaurantes e lanchonetes devem fechar suas portas.

São Paulo já chega a 15 mortes por causa do COVID-19, enquanto são mais de 9 mil casos suspeitos.

CUIDADOS CONTRA O CORONAVÍRUS

Além disso, Dória ressaltou a importância de ficar em casa para coibir o contágio da doença. Destacando os profissionais da saúde, o governador de São Paulo ainda disse para todos apoiarem os médicos, enfermeiros e auxiliares.

“Protejam as pessoas com mais de 60 anos. Sabemos que estamos em uma guerra, sobretudo uma guerra de saúde, sem a solidariedade de todos”, apelou Dória.

SÃO PAULO PARTICIPA DE REUNIÃO COM OUTROS ESTADOS

Os governadores das regiões Sul e Sudeste têm uma reunião agendada para a próxima segunda-feira (23), às 11h, para discutir ações em conjunto contra o coronavírus.

Além de Dória (São Paulo), também participarão da conversa: Ratinho Junior (Paraná), Wilson Witzel (Rio de Janeiro), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul), Carlos Moisés (Santa Catarina) Romeu Zema (Minas Gerais) e Renato Casagrande (Espírito Santo).

A conversa está estimada em cerca de uma hora e será realizada por vídeoconferência.

Todos eles promovem encontros desde março do ano passado, quando foi criado o Cosud (Consórcio de Integração Sul e Sudeste). O grupo, que representa 70% da economia do país e 108 milhões de habitantes, discute medidas em diferentes áreas como segurança, saúde, educação e turismo.

Previous ArticleNext Article