Segovia diz a Barroso que não falará mais sobre inquérito de Temer

Roger Pereira


RUBENS VALENTE E LETÍCIA CASADO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, disse ao ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), que vai se abster de fazer novos comentários a respeito do inquérito que investiga o presidente Michel Temer na edição de um decreto para o setor portuário.
A posição de Segovia foi passada pessoalmente ao ministro em audiência a portas fechadas no STF nesta segunda-feira (19).
No entender da PF, ao agir assim, Segovia atende a uma observação feita pelo próprio ministro em despacho proferido no sábado retrasado (10), após uma entrevista concedida por Segovia à agência de notícias Reuters, na qual ele afirma que não há provas contra Temer no inquérito que investiga o presidente e que tramita no Supremo.
Segovia havia entregue, na semana passada, uma manifestação por escrito sobre a entrevista. A PF não divulgará a manifestação porque entende que o assunto está aos cuidados do ministro Barroso, a quem caberia dar ou não publicidade ao material.
Segundo a PF, Segovia considera ter esclarecido todos os pontos levantados pelo ministro em seu despacho.
Na Polícia Federal há 22 anos, Segovia foi indicado pela cúpula do MDB e escolhido por Temer para assumir o cargo em novembro de 2018. Ele substituiu Leandro Daiello, o diretor mais longevo da PF, que havia sido nomeado pela ex-presidente Dilma Rousseff em 2011.
ENTENDA O CASO
Temer é alvo de inquérito que apura se houve irregularidade em um decreto da área portuária que beneficiou a empresa Rodrimar, assinado em maio de 2017.
No começo de fevereiro, Segovia disse em entrevista à agência Reuters que a tendência é arquivar a investigação sobre o presidente porque não há provas de crime contra Temer.
Ele disse ainda que se a Presidência acionar formalmente a PF a propósito do tom de perguntas feitas por escrito pelo delegado responsável pelo inquérito, poderá ser aberto um procedimento administrativo disciplinar contra ele.
Relator do inquérito no STF, Barroso intimou Segovia a esclarecer a declaração, considerada pelo magistrado “manifestamente imprópria”. De acordo com o ministro, o ato pode mesmo “caracterizar infração administrativa e até mesmo penal”.
Ao intimar o diretor-geral, Barroso afirmou que era necessário que ele confirmasse as declarações que foram publicadas, além de prestar os “esclarecimentos que lhe pareçam próprios e se abstenha de novas manifestações a respeito”.
Ele determinou que o diretor-geral se abstenha de fazer comentários sobre o inquérito.
Barroso determinou que a Procuradoria-Geral da República tome as providências cabíveis.
O delegado que conduz o inquérito dos portos, Cleyber Malta, é um antigo desafeto de Segovia.

Previous ArticleNext Article
Repórter do Paraná Portal
[post_explorer post_id="485097" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]