Operação Lava Jato
Compartilhar

Trechos de depoimento de Odebrecht vazam em tempo real no Twitter

Fernando Garcel com Andreza RossiniO empresário Marcelo Odebrecht, um dos principais nomes da Operação Lava Jato, presto..

Fernando Garcel - 10 de abril de 2017, 17:04

Fernando Garcel com Andreza Rossini

O empresário Marcelo Odebrecht, um dos principais nomes da Operação Lava Jato, prestou seu primeiro depoimento como delator ao juiz federal Sérgio Moro na tarde desta segunda-feira (10). Ele foi interrogado como testemunha de acusação no processo que tem como réu o ex-ministro Antônio Palocci e outras 13 pessoas. Além do herdeiro da empreiteira Odebrecht, Moro também interroga o ex-executivo da construtora Rogério Santos Araújo.

ANÚNCIO

A audiência foi marcada por vazamentos que foram confirmados pelo advogado de Odebrecht, Nabor Bulhões, que concedeu breve entrevista após mais de duas horas e meia de depoimento na Justiça Federal do Paraná. Segundo Bulhões, o juiz Sérgio Moro chegou a interromper a audiência para verificar sobre os vazamentos. "Houve notícia de que alguém teria quebrado o sigilo do interrogatório e o magistrado Moro ficou de investigar", afirmou Bulhões.

Segundo os vazamentos publicados no Twitter, Marcelo Odebrecht descreveu ao magistrado como funcionava a planilha de pagamentos de propina operada pelo setor especializado na empreiteira. Além disso, ele teria informado que avisou a ex-presidente Dilma Rousseff sobre o risco das investigações da Lava Jato chegarem até a conta do ex-marqueteiro João Santana.

> Ex-executivo confirma propina e diz que Palocci é ‘italiano’ na planilha da Odebrecht

ANÚNCIO

Ex-presidente da Petrobras afirma que nunca tratou de propinas com Palocci

"Tudo o que ocorreu no âmbito dessa audiência está sob sigilo. Oportunamente, o levantamento do sigilo depende apenas do Supremo Tribunal Federal (STF). Não depende do juiz Moro. A matéria sincera e no âmbito mais abrangente envolve o STF, responsável pela homologação ", disse Bulhões.

Em entrevista a BBC, em Washington, nos Estados Unidos, Moro afirmou que investigar vazamentos de delações dos executivos da Odebrecht é como "uma caça a fantasmas". Segundo o magistrado, investigar jornalistas e veículos que publicaram conteúdos vazados "seria contrário a proteção de fontes, à liberdade de imprensa". "E isso nós não faríamos", disse.

> Divulgação de depoimentos de Odebrecht é indiferente, diz defesa

Procurada, a assessoria de imprensa da Justiça Federal afirmou que não vai se pronunciar e que deve aguardar a consignação do juiz federal Sérgio Moro na ata da audiência. No termo de audiência divulgado na noite desta sexta-feira, o juiz federal registra a comprovação dos vazamentos e informa que promotores, policiais federais que faziam as escoltas dos presos e advogados apresentaram, voluntariamente, seus telefones celulares para comprovar que não estariam vazando o depoimento. Com a impossibilidade de comprovação do autor dos vazamentos, Sérgio Moro lamentou o fato e determinou que, se alguma parte quiser alguma providência sobre o caso, deverá peticionar em um prazo de três dias.

As oitivas com testemunhas continuam na semana que vem. Na próxima terça-feira (18), serão ouvidos o casal de publicitário João Santana e Mônica Moura. O ex-ministro Antônio Palocci e o ex-assessor dele Branislav Kontic são os últimos réus interrogados. As audiências deles estão marcadas para o dia 19 de abril.

Marcelo Odebrecht

Marcelo Odebrecht responde por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Ele já foi condenado a uma pena de cerca de 19 anos pelos dois crimes e por associação criminosa. O ex-presidente da empreiteira está preso há um ano e dez meses.

Operação Omertà

Palocci, que foi ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff e ministro da Fazenda de Lula, esta preso na capital paranaense desde setembro de 2016 e responde por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o ex-ministro Palocci estabeleceu uma ligação com altos executivos da Odebrecht com o objetivo de atender aos interesses do grupo diante do governo federal, entre 2006 e 2013. A interferência de Palocci teria se dado mediante o pagamento de R$ 128 milhões em propinas. Os recursos eram destinados, principalmente, ao Partido dos Trabalhadores (PT).