Sem diálogo, entidades sindicais convocam grande ato para segunda-feira

Fernando Garcel

greve servidores policiais professores

O Fórum de Entidades Sindicais (FES), que coordena a paralisação do serviço público em manifestação pelo pagamento da reposição da inflação de 4,94% dos últimos 12 meses, rejeitou a proposta do governo de suspender a greve para retomada de negociações e convocou um grande ato público para a próxima segunda-feira (1º).

O grande ato deve contar com caravanas vindas do interior e com a participação de servidores de 22 sindicatos que integram o FES. O grupo deve se concentrar na Praça Santos Andrade a partir das 9 horas e caminhar até a Palácio Iguaçu, no Centro Cívico, sede do Governo.

> Sem consenso, greve dos servidores do Paraná vê adesão aumentar
> Ratinho Junior não aceita pressão e não vai conceder reajuste aos servidores

Na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), o líder do governo Hussein Bakri (PSD) foi taxativo em manter a posição de que o governo não irá negociar enquanto houver greve. “A greve é o último instrumento que você usa. Não estamos com salários atrasados nem nada. O Governo ficou de fazer uma proposta até o fim do mês, e não está em pauta só o reajuste”.

Nesta quinta-feira (27), a concentração aconteceu em frente ao Palácio Iguaçu pela manhã e depois se desloca para um ato no departamento da Perícia Médica, localizado no mesmo prédio da ParanaPrevidência. Na parte da tarde, em frente ao Palácio Iguaçu, haverá uma aula pública sobre o Projeto de Lei Complementar 4/2019, que congela data-base, promoções e progressões por 20 anos.

Reivindicações

Os servidores estão com salários congelados desde 2016, o que representaria perdas acumuladas de 17% para a inflação. Eles reivindicam 4,94% referente aos últimos 12 meses e planejamento para reajuste do restante.

As entidades sindicais alegam que o governo só passou a dialogar com as categorias após a manifestação de 29 de abril, que reuniu cerca de 10 mil servidores em Curitiba. Foram então oito reuniões entre técnicos e lideranças mas sem nenhuma proposta do governo.

> Governo nega reposição enquanto renúncia fiscal vai engolir R$ 34 bilhões até 2022

Previous ArticleNext Article