Senado deve votar cronograma do impeachment nesta segunda-feira

Andreza Rossini


Com o objetivo de entrar em um acordo sobre o cronograma de trabalho apresentado pelo senador da comissão do impeachment no senado, Antonio Anastasia, os senadores membros da comissão voltam a se reunir nesta segunda-feira (6), a partir das 16 horas.

A proposta inicial do relator foi de 15 dias para as alegações finais da acusação e outros 15 dias para a defesa. Durante a reunião da última quinta-feira (2), a senadora Simone Tabet (PMDB-MS) propôs a redução de cinco dias para cada uma das partes, assim o julgamento previsto para terminar em agosto ficaria para medos de julho.

Simone Tebet argumentou que o novo Código de Processo Penal prevê prazos mais curtos. “Eu estou fazendo uma questão de ordem de acordo com os termos do Código de Processo Penal. Não sou dona da verdade nem sei se tenho razão nesse assunto. Acabei de receber o relatório e me socorri de algumas informações que tenho aqui”, esclareceu a senadora.

A proposta de Simone Tebet gerou protestos de parlamentares contrários ao impeachment de Dilma Rousseff e o cronograma ficou sem decisão. Diante disso, o presidente da comissão, Raimundo Lira (PMDB-PB), decidiu levar a questão ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski. O recurso ao ministro do STF sobre esse mesmo tema também foi pedido pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

O ministro Ricardo Lewandowski, de acordo com a legislação, é o responsável pelo processo de impeachment de Dilma Rousseff e o STF atua como órgão recursal.

Consultas

Há ainda outras consultas que serão encaminhadas a Lewandowski. Uma delas é se a votação dos requerimentos dos integrantes do colegiado deve ser de um a um ou em bloco. Por conta desse impasse, uma vez que a comissão decidiu examiná-los em conjunto, os apoiadores de Dilma Rousseff abandonaram a reunião de quinta-feira. Outro recurso, desta vez apresentado pelo senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), pede que o julgamento da presidente afastada se resuma em dois fatos: os quatro decretos, em bloco, e as chamadas “pedaladas fiscais”. A defesa quer que sejam cinco fatos.

Com informações da Agência Senado.

Previous ArticleNext Article