Política
Compartilhar

Senado vê omissão de Bolsonaro e organiza agenda própria para os 200 anos da Independência

Diante do que considera inação do governo federal, o Senado vai desenvolver em 2022 uma agenda própria de eventos para c..

Mirian Villa - 03 de janeiro de 2022, 09:46

Imagens de Brasília - Fachada do Congresso Nacional, sede das duas Casas do Poder Legislativo brasileiro, em dia de eleiçao dos membros da Mesa Diretora para o biênio 2021/2022.As cúpulas abrigam os plenários da Câmara dos Deputados (côncava) e do Senado Federal (convexa), enquanto que nas duas torres - as mais altas de Brasília, com 100 metros - funcionam as áreas administrativas e técnicas que dão suporte ao trabalho legislativo diário das duas instituições.Obra do arquiteto Oscar Niemeyer.Foto: Roque de Sá/Agência Senado
Imagens de Brasília - Fachada do Congresso Nacional, sede das duas Casas do Poder Legislativo brasileiro, em dia de eleiçao dos membros da Mesa Diretora para o biênio 2021/2022.As cúpulas abrigam os plenários da Câmara dos Deputados (côncava) e do Senado Federal (convexa), enquanto que nas duas torres - as mais altas de Brasília, com 100 metros - funcionam as áreas administrativas e técnicas que dão suporte ao trabalho legislativo diário das duas instituições.Obra do arquiteto Oscar Niemeyer.Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Diante do que considera inação do governo federal, o Senado vai desenvolver em 2022 uma agenda própria de eventos para celebração dos 200 anos da Independência.

"No centenário, o Brasil fez a Semana de Arte Moderna e a atual versão do hino nacional. No sesquicentenário , trouxe os restos mortais de Dom Pedro 1º. Agora existe omissão total do governo", diz o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), coordenador da comissão especial destinada ao tema.

Estão previstos uma carreta itinerante sobre a história do Brasil, uma página na internet, um convite para que o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, venha ao Brasil, entre outros.

O projeto 200 anos 200 livros, que fará parte das comemorações, deverá contar com o lançamento de novas edições de livros já conhecidos e a publicação de novas obras, além de um trabalho de interação com esses escritos na página temática na internet.

Em setembro, o Senado deu o pontapé inicial na iniciativa com o lançamento do livro "Vozes do Brasil: a linguagem política na Independência (1820-1824)", que reúne panfletos históricos utilizados na época para divulgação de ideias ou posições por diferentes grupos políticos e indivíduos, na maior parte das vezes de forma anônima ou sob pseudônimo.

Os panfletos reunidos no livro estão na Universidade Católica da América, em Washington, e foram reproduzidos de maneira fac-similar na obra a partir de cooperação entre a instituição de ensino e a comissão do Senado, da qual também faz parte Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente da Casa.