Política
Compartilhar

Senadora vai processar advogado ativista por agressão

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) registrou ocorrência na Polícia Legislativa do Senado sobre a agressão sofrida ..

Jordana Martinez - 02 de setembro de 2016, 15:09

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) registrou ocorrência na Polícia Legislativa do Senado sobre a agressão sofrida no desembarque do Aeroporto Afonso Pena, em Curitiba, na noite de quarta-feira (31). O advogado ativista Paulo Demchuk ficou detido por cerca de meia hora pela Polícia Federal (PF), e foi liberado em seguida.

Em nota, a senadora afirmou que irá processar o advogado: "Em relação ao ocorrido no Aeroporto Afonso Pena de Curitiba, na última quarta-feira (31), quando no desembarque do voo JJ 3151 da Latam, que saiu de Brasília às 22h05, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) foi agredida por um passageiro que estava no mesmo voo, a parlamentar esclareceu que registrou a ocorrência na Polícia Legislativa do Senado que vai tomar todas as providências diante das autoridades da capital paranaense. Ela ainda comunicou que vai adotar todas as medidas judiciais cabíveis", diz a nota publicada nas redes sociais.

O advogado constituído pela senadora para processar o acusado, Cláudio Dalledone Júnior, afirmou ao Paraná Portal que serão tomadas medidas criminais, cíveis e administrativas: "A Senadora me constituiu como advogado dela para tomar todas as medidas cabiveis contra o agressor. Esse curriculum postado por ele não e verdadeiro ele não faz parte de nenhuma comissão da OAB. O Senado externou solidariedade a Senadora e também encaminhara expedientes. Atos de intolerância e violência contra o Estado de direito não serão admitidos. A mesa do Senado também irá se manifestar sobre esse lamentável episódio que vitimou a pessoa, a mulher e a autoridade da senhora Vanessa Graziotin", afirmou

Nesta sexta-feira Demchuk voltou a negar as agressões: "Meus caros, se alguém está numa situação de flagrante, cercado pela Polícia Federal, e os policiais optam por liberar o sujeito, a razão é muito simples, NÃO houve crime, nem violência física. Ao contrário, se houvesse crime qualquer ou violência física, os policiais estariam obrigados a prender o agressor", afirmou em mensagem encaminhada ao Paraná Portal.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), comentou o caso no twitter.

Discussão do impeachment causou a confusão

A cena aconteceu no momento do desembarque de passageiros que vinham de Brasília em um avião da Latam, na noite desta quarta-feira (31),  no Aeroporto Internacional de Curitiba (Afonso Pena). O grupo discutia o impeachment da presidente Dilma Roussef e a manutenção dos direitos políticos. Segundo testemunhas, a senadora apontou o celular para filmar a conversa quando teria sido agredida, batendo a cabeça no braço da poltrona.  A PF foi acionada pela companhia aérea.

Em entrevista ao Paraná Portal ele negou ter agredido a senadora:  “Eu não toquei num fio de cabelo dela. Eu tentei tirar o celular dela, eu admito o erro de tentar tirar o celular. Ela ficou irritada, começou a gritar, a fazer um escândalo. Tanto que preferiu nem registrar o caso”, argumentou.

Paulo Demchuk ainda denunciou que passou a receber ameaças de morte depois que o caso ganhou repercussão na imprensa e nas redes sociais.