Política
Compartilhar

Senadores falam sobre retomada econômica e defendem o fim do foro privilegiado

“As perspectivas do nosso mercado pelo olhar dos senadores do Paraná”, promovido pela ADVB-PR, ocorreu no Hard Rock Cafe Curitiba.

Johan Gaissler - 11 de abril de 2022, 13:20

(Foto: Johan Gaissler)
(Foto: Johan Gaissler)

Os senadores Alvaro Dias, Oriovisto Guimarães e Flávio Arns, todos do Podemos, participaram de um encontro promovido pela ADVB-PR na manhã desta segunda-feira (11), em Curitiba. Na oportunidade, os representantes paranaenses falaram para empresários do estado sobre o momento de retomada econômica e defenderam a realização de reformas, como a tributária, mas não no modelo proposto, além do fim do foro privilegiado.

O encontro teve como tema “As perspectivas do nosso mercado pelo olhar dos senadores do Paraná” e ocorreu no Hard Rock Cafe Curitiba. O painel aconteceu pela primeira vez desde o início da pandemia. Por isso, o futuro dos negócios no estado foi escolhido como tema.

O senador Oriovisto Guimarães afirmou que crises não devem ser generalizadas e, apesar do momento de crise vivido nos últimos dois anos, o otimismo deve ser mantido quando o assunto são os negócios locais: "Temos dificuldades, mas o Paraná tem uma situação especial. Temos um grande polo automobilístico, um agronegócio que produz muito e o ano na energia hidráulica deve ser melhor que os anteriores".

Já Flávio Arns destacou a política de assistência social dada para parte da sociedade, como o antigo Bolsa Família, o atual Auxílio Brasil e o auxílio emergencial fornecido durante parte da pandemia. O senador disse que o momento pede entendimento entre a população: "Nós precisamos de diálogo com todos os setores, particularmente os empresários, para construirmos o que o Paraná e o Brasil precisam".

Alvaro Dias defendeu, ainda, o trabalho do atual trio de senadores em Brasília. Ele diz que estava "quase jogando a toalha" até a chegada de Oriovisto e Arns, eleitos em 2018. O ex-governador do estado falou que as cobranças feitas por parte da população são de responsabilidade de outros setores da política nacional: “Eu vejo ataques injustificados aos senadores do Paraná. Aprenderam no Brasil a transferir responsabilidades. Querem ver o senador como se fosse o presidente da República resolvendo os problemas do país. Aí responsabilizam o Supremo e o Senado”.

Também como defesa, Oriovisto afirmou que o estado está bem representado: "O Paraná tá acima de qualquer outro interesse político. Só de reforma tributária, só de crise do petróleo, regularização do ICMS, nós trabalhamos muito. Aparecem pouco, mas temos uma perfeita sintonia com o interesse do Paraná”. Ele criticou antecessores, sem mencionar nomes, que teriam prejudicado o estado por rivalidade política, na opinião dele.

O empresário falou também que há uma convergência entre os poderes Legislativo e Judiciário em Brasília, e que isso afeta a democracia. O fim do foro privilegiado aos políticos, por exemplo, não foi aprovado "porque eles [deputados federais e senadores] não querem [ser investigados por autoridades em primeiras instâncias]", de acordo com o senador.

Flávio Arns, na mesma linha de pensamento, falou que o "o fim do foro privilegiado é o fio condutor para a resolução de todos os problemas”.

Oriovisto mencionou projetos defendidos por ele no Senado, como a reforma tributária. No entanto, segundo ele, o atual modelo proposto é "muito ruim" e "feito por gente que não sabe o que tá fazendo".

Alvaro Dias também criticou a falta de postura do presidente Jair Bolsonaro (PL): “Se o presidente da República não assume a responsabilidade, se não articula, se não propõe, as reformas não acontecem”.