Política
Compartilhar

Sérgio Cabral deve ser transferido de presídio após indícios de regalias na cadeia

Vistoria da Justiça encontrou celulares, anabolizantes, dinheiro e lista de compras em restaurantes na unidade em que o ex-emedebista está atualmente.

Folhapress - 02 de maio de 2022, 15:56

(Foto: Tércio Teixeira/Folhapress)
(Foto: Tércio Teixeira/Folhapress)

O ex-governador Sérgio Cabral deve ser transferido nesta semana para o Complexo Penitenciário de Bangu, zona oeste do Rio de Janeiro, após uma vistoria da Justiça encontrar celulares, anabolizantes, dinheiro e lista de compras em restaurantes na unidade em que o ex-emedebista está atualmente.

Ele vai deixar a Unidade Prisional da Polícia Militar, em Niterói, onde estava desde setembro, e retornar para Bangu, onde deve ficar na penitenciária Laércio da Costa Pellegrino (Bangu 1).

A transferência se deve a indícios encontrados pela Vara de Execuções Penais de que a Unidade Prisional da PM permitia regalias a seus detentos.

A vistoria, realizada na semana passada e revelada pelo Fantástico, da TV Globo, neste domingo (1), encontrou estantes com compartimento para esconder celulares, mais de R$ 4.000 em dinheiro vivo, maconha, anabolizantes e lista de compras em restaurantes.

A defesa do ex-governador afirma que nenhuma irregularidade foi encontrada na cela de Cabral.

"Nenhum dos objetos encontrados em áreas comuns foi relacionado pela equipe ao ex-governador", disse a advogada Patrícia Proetti, em nota.

"Ele desconhece objetos encontrados fora da galeria de acautelamento dos oficiais. No momento da chegada das autoridades, o ex-governador estava em área comum, na companhia dos demais acautelados", afirmou a advogada.

O resultado da vistoria deve levar à transferência de outros detentos da unidade, destinada prioritariamente para policiais militares.

O ex-governador já responde na Justiça por supostas regalias na cadeia pública José Frederico Marques, em Benfica. Ele foi acusado em janeiro de 2018 de instalar uma "videoteca" e manipular o sistema de videomonitoramento na unidade.

Após o episódio, o ex-governador foi transferido para a cadeia pública Pedrolino Werling de Oliveira, conhecida como Bangu 8. Em setembro, a defesa de Cabral pediu a transferência da unidade para evitar que ele ficasse num mesmo presídio de pessoas citadas em seu acordo de delação com a Polícia Federal.

A mudança foi autorizada por decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Por essa razão, Cabral será levado para Bangu 1, e não Bangu 8, onde ficam presos com ensino superior completo.

O ex-governador está preso desde novembro de 2016 sob acusação de corrupção cometida durante sua gestão à frente do Rio de Janeiro (2007-2014).

As penas somadas chegam a 407 anos, mas decisões recentes do STF indicam que algumas condenações devem ser anuladas. Ele é o único político ainda preso em regime fechado em razão de desdobramentos da Operação Lava Jato.