Sergio Moro deixa governo de Bolsonaro:”Faça a coisa certa sempre”

Ana Cláudia Freire

Moro afirma que não tem como aceitar que o Governo Federal possa interferir nas investigações da Polícia Federal
sergio moro demissão governo bolsonaro polícia federal

Sergio Moro, deixou o cargo Ministro da Justiça e Segurança Pública, na manhã desta sexta-feira (24), em anúncio feito à imprensa mais cedo.

A decisão veio logo depois que Maurício Valeixo foi exonerado do cargo de diretor-geral da PF (Polícia Federal), a pedido do presidente Jair Bolsonaro.

O decreto está publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira (24) e tem assinatura de Sergio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública. Porém, durante a o anúncio o ex-ministro Moro afirmou que não assinou o decreto:“Fiquei sabendo de madrugada, eu não assinei esse documento”, afirmou.

MORO NÃO ACEITOU INTERFERÊNCIA POLÍTICA NA PF

Durante todo o pronunciamento, o ex-ministro Sergio Moro reforçou que deixava a pasta por conta das interferências políticas do governo nas investigações feitas pela Polícia Federal.

“Bolsonaro me disse mais de uma vez que queria um diretor que pudesse ser de seu contato pessoal, que ele pudesse ligar, obter informações. Imagine se na época da Lava Jato a presidente Dilma, e o ex-presidente, ligassem para obter informações sobre as investigações? Isso na dá!”

Moro reforçou que não teria problema nenhum em trocar os comandos da Polícia Federal, tanto com relação à direção da PF quanto às superintendências  (embora o ex-ministro tenha afirmado que as as indicações para as superintendências não fariam parte do seu trabalho), mas reforçou que precisaria de um real motivo para tais mudanças.

“Não é tanta a questão de quem, mas por quê está saindo. Ontem houve uma insistência do presidente para troca. Eu disse a ele que seria uma interferência política e ele disse  que seria mesmo.”

Sergio Moro terminou o pronunciamento dizendo que iria descansar e que esperava que a substituição de seu cargo fosse feita de maneira responsável e que fosse apontado um nome técnico, de alguém que estivesse à altura de lidar com a pandemia do coronavírus, à frente do ministério.

Ao deixar a sala aonde estava estava sendo transmitido o pronunciamento, o ex-ministro Sergio Moro declarou: “Faça a coisa certa sempre!”

Previous ArticleNext Article
Jornalista - Chefe de Redação do Paraná Portal
[post_explorer post_id="695174" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]