STF repudia pedido de impeachment feito por Bolsonaro e diz ter total confiança em Moraes

Matheus Teixeira - Folhapress, Julia Chaib - Folhapress e Marianna Holanda - Folhapress

STF repudia pedido de impeachment feito por Bolsonaro e diz ter total confiança em Moraes

O STF (Supremo Tribunal Federal) divulgou na noite desta sexta-feira (20) uma nota oficial para repudiar o pedido de impeachment feito pelo presidente Jair Bolsonaro contra o ministro Alexandre de Moraes.

A nota oficial, sem assinatura, em nome de todo o tribunal, diz ainda que a corte “manifesta total confiança” no ministro.

“O Supremo Tribunal Federal, neste momento em que as instituições brasileiras buscam meios para manter a higidez da democracia, repudia o ato do Excelentíssimo Senhor Presidente da República, de oferecer denúncia contra um de seus integrantes por conta de decisões em inquérito chancelado pelo Plenário da Corte”, diz o texto.

Segundo a corte, “o Estado democrático de Direito não tolera que um magistrado seja acusado por suas decisões, uma vez que devem ser questionadas nas vias recursais próprias, obedecido o devido processo legal”.

O tribunal reforçou ainda que, “ao mesmo tempo em que manifesta total confiança na independência e imparcialidade do Ministro Alexandre de Moraes, aguardará de forma republicana a deliberação do Senado Federal”.

Mais cedo, Bolsonaro ignorou apelos e ingressou com um pedido de impeachment contra Moraes.

A formalização ocorre no dia em que a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços do cantor Sérgio Reis e do deputado Otoni de Paula (PSC-RJ), aliados do presidente.

As medidas foram solicitadas pela PGR (Procuradoria-Geral da República) e autorizadas por Moraes.

Auxiliares palacianos viram na apresentação do pedido uma reação do presidente à operação da PF. Bolsonaro havia anunciado que também pediria o afastamento do presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, o que não ocorreu.

No último sábado, um dia após a prisão de seu aliado Roberto Jefferson, Bolsonaro anunciou que iria entrar com a ação. A detenção do ex-deputado ocorreu por ordem de Moraes, após ataques do político às instituições.

Segundo Bolsonaro, os atos praticados pelo ministro “transbordam os limites republicanos aceitáveis” e que Moraes não “tem a indispensável imparcialidade para o julgamento dos atos” do presidente da República.

Na peça, ele ainda diz que o ministro “comporta-se de forma incompatível com a honra, a dignidade e o decoro de suas funções, ao descumprir compromissos firmados ao tempo da sabatina realizada perante o Senado Federal”.

“Como demonstrado, o denunciado tem se comportado, no âmbito do Supremo Tribunal Federal, como um juiz absolutista que concentra poderes de investigação, acusação e julgamento”, diz Bolsonaro.

O presidente também reclama do fato de Moraes ter acolhido a notícia-crime do TSE e ter decidido investigá-lo por suposto vazamento de dados sigilosos de inquérito da Polícia Federal sobre invasão hacker à corte eleitoral em 2018.

“A notícia-crime é encaminhada pelo Excelentíssimo ministro Alexandre de Moraes (e seus pares, do TSE) para o próprio Excelentíssimo Ministro Alexandre de Moraes, no STF. Pior, sem a oitiva do Ministério Público Federal”, diz em outro trecho.

Sem a presença de autoridades, o protocolo do pedido de impeachment nesta sexta foi bem diferente do que Bolsonaro havia planejado inicialmente.

A ideia era levar pessoalmente o documento, acompanhado de ministros de Estado, às mãos do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o que não ocoreu. Bolsonaro está no interior de São Paulo.

A nota do Supremo foi divulgada menos de duas horas depois de o presidente apresentar o pedido de impeachment ao Senado. O fato de o texto ter sido divulgado em papel timbrado da corte e sem assinatura do presidente ou de um ministro específico quer dizer que foi endossado por todos os integrantes do tribunal.

Assim, o STF esboça uma reação conjunta da corte contra a ofensiva do chefe do Executivo e tenta dar uma demonstração de união contra o Palácio do Planalto.

Nos bastidores da corte, parte dos ministros ainda acredita que, apesar de a tensão na relação entre os Poderes estar alta, a tendência é que ela abaixe em breve e que seja retomado um ambiente de diálogo.

De outro lado, há magistrados que consideram irreconciliável a relação entre o Supremo e o Palácio do Planalto.
Auxiliares de Bolsonaro avaliam que Moraes esticou muito a corda com o presidente e dizem que o mandatário poderia até ter desistido do pedido não fosse a operação desta sexta. Ainda assim, uma ala do governo continua acreditando na possibilidade de melhorar a relação com a corte.

Pouco tempo depois de Bolsonaro apresentar o pedido de impeachment, o ministro Barroso, que também tem protagonizado embates com o chefe do Executivo, aproveitou as dicas que costuma dar às sextas-feiras nas redes sociais para mandar indiretas ao Palácio do Planalto.

“Um pensamento: ‘O que mais preocupa não é o grito dos violentos, dos corruptos e dos sem ética, mas o silêncio dos bons'”, disse, em referência a frase de Martin Luther King.

Na área artística, recomendou a música “Vai Passar”, de Chico Buarque.

LEIA MAIS: Moraes bloqueia vaquinha para ato de 7 de setembro e proíbe investigados de chegar perto do STF

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="784759" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]