STJ manda soltar ex-chefe de gabinete de Richa, Deonilson Roldo

Fernando Garcel

Deonilson Roldo - Beto Richa - Operação Piloto - Lava Jato - corrupção

O ministro João Otávio de Noronha, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), concedeu na manhã desta terça-feira (29) a liberdade para que Deonilson Roldo, ex-chefe de gabinete de Beto Richa (PSDB), preso desde 11 de setembro pela Lava Jato, responda ao processo em liberdade. A informação foi confirmada pelo advogado de Roldo, Roberto Brzezinski.

Cida Borgheti demite Deonilson Roldo, que diz que foi chantageado

Segundo Brzezinski, a Vara de Execuções Penais da Justiça Federal em Curitiba deve ser comunicada da decisão do ministro ainda nesta terça-feira. Com isso, Deonilson deve ganhar liberdade ainda hoje. A íntegra do despacho do ministro será publicada apenas no dia 4 de fevereiro.

Deonilson é suspeito de comandar o esquema de favores em troca de recebimento de propina em forma de doação para campanhas do tucano e foi alvo da 53ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Piloto.

O então chefe de gabinete de Beto Richa foi flagrado, em áudios revelados pela revista IstoÉ, tentando convencer Pedro Rache, diretor-executivo da Contern a abrir mão da participação em uma licitação que já estaria prometida para a Odebrecht. Após as negociações, o Grupo Bertin desistiu da obra. A Odebrecht concorreu sozinha e venceu a licitação em 2014. Em troca do contrato, com duração de 30 anos, a Odebrecht acertou o repasse R$ 4 milhões, via caixa 2, para a campanha de reeleição de Beto Richa em 2014.

Operação Piloto

A Operação Piloto, apura o pagamento de R$ 4 milhões em propinas pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, em favor de agentes públicos e privados do Paraná. Em contrapartida a empreiteira teria sido beneficiada na licitação para as obras da rodovia estadual PR-323, no interior do Estado, no ano de 2014. O dinheiro teria ajudado a financiar a campanha de reeleição do ex-governador do estado em 2014.

A operação teve um novo desdobramento na última sexta-feira (25), com a deflagração da 58ª fase da Lava Jato, e a prisão de Beto Richa. Ontem, o Ministério Público Federal (MPF) denunciou o tucano, o ex-secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná e irmão de Beto, Pepe Richa e mais 31 pessoas por desviar R$ 8,4 bilhões por meio de supressões em obras rodoviárias em concessões no Anel de Integração.

Beto Richa e mais 32 são denunciados por lavagem e organização criminosa na Lava Jato
“Corrupção no pedágio deixou um rastro de sangue e morte nas rodovias”, afirma Dallagnol

Previous ArticleNext Article