Temer coloca PF à disposição de autoridades paraguaias

Fernando Garcel


O presidente Michel Temer (PMDB) determinou que o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, coloque a Polícia Federal (PF) à disposição das autoridades paraguaias para colaborar com as investigações sobre o assalto no Paraguai que levou US$ 40 milhões, cerca de R$ 120 milhões, de uma transportadora de valores em Ciudad del Este, na madrugada desta segunda-feira (24).

Mega-assalto leva US$ 40 milhões de transportadora em Ciudad del Este

Em nota, o governo federal afirma que acompanha os desdobramentos das ações policiais já em curso em território nacional e apoiará, com todos os recursos necessários, as investigações conduzidas atualmente pelas autoridades paraguaias.

“O governo brasileiro se solidariza com as vítimas dessa ação criminosa e, em especial, com os familiares do policial paraguaio morto”, declara a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

No início da tarde, cerca de 20 assaltantes suspeitos de terem participado do assalto trocaram tiros com a polícia em Itaipulândia, na região oeste do Paraná. Os homens conseguiram atravessar a fronteira pelo Lago de Itaipu, mas foram surpreendidos pelo Núcleo Especial de Polícia Marítima (Nepom). Dois suspeitos foram baleados e hospitalizados.

A movimentação policial é intensa em São Miguel do Iguaçu, Itaipulândia e Medianeira. Várias equipes da Polícia Federal (PF), além de um helicóptero, participam das buscas.

Os suspeitos ainda teriam fechado os policiais na BR 277, em São Miguel do Iguaçu, e levado uma das viaturas na fuga.

O jornal paraguaio La Nación informou que o assalto foi liderado por membros da facção criminosa brasileira Primeiro Comando da Capital (PCC), que também atacaram a sede da polícia e do governo. Um policial identificado como Sabino Ramón Benítez morreu no enfrentamento com os assaltantes.

O chefe da Divisão de Homicídios da Polícia de Ciudad del Este, comissário Richard Vera, afirmou que os delinquentes “transformaram em pedaços com bombas o edifício da Prosegur”.

O roubo se estendeu por mais de três horas e ficou registrado em dezenas de gravações amadoras, em que é possível ver o incêndio de veículos e ouvir o som de tiros e o estrondo das explosões. O dinheiro estava depositado em um cofre que foi aberto com uso de explosivos e fuzis antiaéreos. A informação é da Agência Télam.

Mega-assalto leva US$ 40 milhões 

Cerca de US$ 40 milhões (ou R$ 120 milhões) foram levados da unidade da transportadora de valores Prosegur, em Ciudad del Este, no Paraguai, vizinha de Foz do Iguaçu, Oeste do Paraná. A polícia paraguaia acredita que o roubo milionário foi promovido por uma organização criminosa que “atua no Brasil e domina vários presídios”.

Um policial, identificado como Sabino Ramón Benítez, do “Grupo Táctico de Operaciones (GEO)”, morreu na tentativa de perseguir os bandidos fortemente armados. A unidade da transportadora foi invadida na madrugada desta segunda-feira (24).

Os assaltantes usaram dinamites no ataque e incendiaram ao menos 15 veículos para distrair a polícia. A sede da empresa fica a 4 quilômetros da Ponte Internacional da Amizade, no Oeste do Paraná.

Na fuga, por volta da 1h, o grupo de aproximadamente 30 assaltantes se separou para dificultar o cerco policial. Buscas estão sendo feitas por helicóptero sobre o Rio Paraná, já que há suspeita de que possam ter usado barco na fuga.

Segundo o chefe policial, ainda pela manhã os investigadores trabalhavam para desativar as bombas que os assaltantes colocaram “em pontos estratégicos da cidade”. “Há bombas ao redor do edifício, que estão sendo desativadas esta manhã. O grupo incendiou 14 veículos em pontos estratégicos da cidade para evitar que nós [a polícia] chegássemos ao local. Abandonaram veículos blindados com bombas ativadas”, relatou o comissário Vera ao canal TN.

Ele disse que, ao chegar ao local, os assaltantes “primeiramente ativaram, de maneira simultânea, todas as bombas nos veículos que foram abandonados em diversos pontos da cidade. Em seguida, assassinaram o policial e explodiram as bombas dentro do edifício, que literalmente voou em pedaços”.

As explosões afetaram as casas vizinhas, e a polícia ainda está avaliando os danos e contabilizando os feridos.

Estudante relata perseguição a brasileiros após assalto no Paraguai

Em entrevista à rádio Bandeirantes, uma estudante brasileira de medicina da Universidad Internacional Tres Fronteras (Uninter), que pediu para não ser identificada, relata que há temor de perseguição a brasileiros.

> Estudante relata perseguição a brasileiros após mega-assalto no Paraguai
> PF orienta que brasileiros coagidos no Paraguai procurem consulado

“Nesse momento, parece que os brasileiros estão sofrendo tortura lá, estão pegando os brasileiros. A gente foi comunicado para não ir à faculdade. Parece que um vigia da nossa faculdade, Uninter, foi assassinado e os policiais estão pegando todos os brasileiros que aparecerem lá e estão torturando. A gente não foi para a faculdade hoje e a gente está com muito medo, porque não sabe se vai ter represália”, conta a estudante.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="426871" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]